Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CRISE

Bolsonaro ‘desafia’ Moraes a retirar Ramagem da Abin

Presidente afirmou que Agência de Inteligência é tão importante quando Polícia Federal
01/05/2020 15:28 - Da Redação


Revoltado com o impedimento de nomear o ex-delegado Alexandre Ramagem para o cargo de diretor-geral da Polícia Federal, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que espera que o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que determinou a suspensão da posse do indicado, tenha a mesma postura em relação ao cargo que ele ocupa atualmente, como diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Durante entrevista coletiva na saída do Palácio da Alvorada o presidente afirmou que considera a Abin tão importante quanto a Polícia Federal. “Agora eu pergunto senhor Alexandre de Moraes, o senhor vai retirar o Ramagem da Abin? Que é tão importante quanto o diretor-geral da Polícia Federal. Se ele não pode ficar na PF ele não pode ir para a Abin. Senhor Alexandre de Moraes, aguardo da vossa excelência uma canetada para tirar o Ramagem da Agência Brasileira de Inteligência, para ser coerente”, declarou.

Na terça-feira (28) o presidente havia nomeado Ramagem para o cargo de Maurício Valeixo, que comandou a PF até a sexta-feira, quando foi exonerado. Porém, no dia seguinte o ministro Alexandre de Moraes atendeu pedido feito pelo PDT e decidiu suspender a posse dele, por ser um amigo do presidente e de sua família. O ministro do Supremo levou em consideração as acusações feitas pelo ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, que afirmou que Bolsonaro queria interferir politicamente na corporação com a mudança na direção.

Bolsonaro ainda afirmou que a decisão de Moraes quase causou uma “crise institucional” no governo. “Agora tirar numa canetada e desautorizar o presidente da República, com uma canetada, dizendo em (princípio da) impessoalidade? Ontem quase tivemos uma crise institucional, quase. Faltou pouco. Eu apelo a todos que respeitem a Constituição”.

“Eu não engoli ainda essa decisão do senhor Alexandre de Moraes. Não engoli. Não é essa a forma de tratar o chefe do Executivo que não tem uma acusação de corrupção”, continuou o presidente.

O presidente afirmou que a Advocacia-Geral da União (AGU) vai recorrer da decisão de Moraes, mas também disse que o governo já está pensando em novos nomes para o cargo. “Nós estamos discutindo um nome, uma nova composição para a gente fazer com que a Polícia Federal, realmente agora tenha isenção e ajude o Brasil com o trabalho que ela sempre fez, desde a sua existência. (O governo) Vai recorrer, eu lamento agora que não tem tempo, eu espero que seja tão rápido quanto a liminar, eu espero só isso do senhor Alexandre de Moraes”.

Após a decisão de suspender a posse, o governo publicou edição extra do Diário Oficial da União, onde retrocedia na nomeação de Ramagem para a Polícia Federal e o devolvia para a Abin. 

Já o novo ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, que também havia sido nomeado no mesmo dia que Ramagem, não teve problemas e pôde tomar posse na quarta-feira. Ele ficou no lugar de Moro, que pediu demissão durante uma entrevista coletiva.

 
 
Bolsonaro ‘desafia’ Moraes a retirar Ramagem da Abin - Divulgação
 

Felpuda


Mesmo sem ter, até onde se sabe, combinado com o eleitor, candidato a prefeito começou a apresentar nomes do seu ainda hipotético secretariado, pois parece estar convicto de que conseguirá vencer a disputa.

Os adversários dizem por aí que ele está muito distante de “ser um Jair Bolsonaro”, que, ainda na campanha eleitoral para presidente da República, já falava em Paulo Guedes para ser seu ministro de Economia. Como sonhar é permitido