Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASIL

Bolsonaro: Tem muita estatal que tem de ser negociada, senão quebra

Declaração foi feita na saída do Palácio da Alvorada
07/02/2020 19:46 - Estadão Conteúdo


 

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira, 7, que muitas estatais devem ser "negociadas", caso contrário irão quebrar. Ele havia sido questionado por uma apoiadora, em frente ao Palácio da Alvorada, se a Eletrobras será privatizada.

"Olha, o que aconteceu. Quando a Dilma baixou o preço, houve um déficit enorme. Hoje você precisa investir para o sistema não entrar em colapso. E eu não tenho R$ 28 bilhões, esse que é o problema. Tem muita estatal aí que infelizmente vai ter que ser negociada, senão vai quebrar", respondeu Bolsonaro, fazendo alusões a decisões da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) que elevaram o valor da conta de luz.

Na mensagem presidencial enviada neste ano ao Congresso, Bolsonaro defende aprovação da privatização da Eletrobras. O projeto de lei do governo para viabilizar negociação da estatal foi enviado em 2019 pelo governo ao Legislativo.

Preço da gasolina

Bolsonaro voltou responsabilizar nesta sexta-feira, 7, governadores pelo alto preço do combustível. Em resposta a um fã que disse desejar a queda do valor pago nas bombas, Bolsonaro disse: "Estão sabendo de quem é a culpa agora, né. Estão sabendo Acabou a brincadeira de me acusar."

O presidente defende que o ICMS incida sobre o valor do combustível na refinaria, em vez de em bombas de postos. Ele afirma que enviará ao Congresso um projeto de lei para viabilizar a mudança na cobrança.

Bolsonaro chegou a afirmar nesta semana que iria retirar cobranças federais sobre combustíveis se governadores zerassem o ICMS nas bombas.

Felpuda


Pré-candidato a prefeito de Campo Grande divulgou vídeo em que político conhecido Brasil afora anuncia apoio às suas pretensões. O problema é que o tal líder já andou sendo denunciado por mal feitos em sua trajetória, sem contar que o pai do dito-cujo teve de renunciar ao cargo de ministro por ter ligações nebulosas com empresa de agrotóxico. Depois do advento da internet, essa coisa de o povo ter memória curta hoje não passa de coisa “da era pré-histórica”.