Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASÍLIA

Bolsonaro escolhe pastor presbiteriano para comandar o Ministério da Educação

Milton Ribeiro é reverendo da Igreja Presbiteriana de Santos e vice-presidente de conselho da Universidade Mackenzie
10/07/2020 17:31 - Nyelder Rodrigues


 

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) escolheu o pastor Milton Ribeiro para ser o novo ministro da Educação. Ele deve assumir no lugar de Carlos Alberto Decotelli, que acabou pedindo demissão poucos dias após ser oficializado - ele foi acusado de plágio na tese de mestrado e por mentir no currículo, afirmando ter doutorados e pós-doutorado.

O anúncio do nome foi feito nesta tarde de sexta-feira (10) logo após a imprensa nacional noticiar que Bolsonaro o convidou. Milton é reverendo da Igreja Presbiteriana de Santos e é ligado à Universidade Mackenzie, em São Paulo.

Na universidade, ele atua como conselheiro deliberativo do Instituto Presbiteriano Mackenzie (IPM), sendo vice-presidente do mesmo e ex-vice-reitor. Desde 2019, Ribeiro também ocupa integra a Comissão de Ética Pública da Presidência da República.

Além de suprir a queda de Decotelli, ele também tem como missão substituir Abraham Weintraub, que deixou o cargo após diversas polêmicas. Conforme o IPM, Ribeiro é doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP), mestre em Direito pela própria Mackenzie, sendo graduado em Teologia e em Direito.

O nome de Milton Ribeiro já foi publicado no Diário Oficial da União, que lançou edição extra nesta sexta-feira. Ele é o quarto ministro da Educação do governo Bolsonaro. Em declarações recentes, o presidente disse que estava buscando um nome de perfil "conciliador" para a função. 

 

Felpuda


Embora embalada por vários “ex”, pré-candidatura a prefeito de esforçada figura não deslancha. É claro que ninguém ousa falar em voz alta que o apoio, em vez de alavancar os índices com o eleitorado, está é puxando para baixo. Uns dizem que o título do filme “Eu Sei O Que Vocês Fizeram no Verão Passado” retrata bem a situação. Outros complementam: “... na primavera, no outono, no inverno...”. Como diria vovó: “Aqui você planta, aqui você colhe!”.