Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASÍLIA

Bolsonaro nomeia Mario Frias para Secretaria Especial de Cultura

Ator e apresentador assume cargo deixado por Regina Duarte
20/06/2020 08:14 - Da Redação


O presidente da República, Jair Bolsonaro, nomeou o ator e apresentador como titular da Secretaria Especial da Cultura, vinculada ao Ministério do Turismo. O decreto foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) na sexta-feira (19).

Frias assume, a partir de agora, o cargo que foi deixado pela também atriz Regina Duarte, que anunciou sua saída no dia 20 de maio.  Pedro José Vilar Godoy Horta, ex-chefe de gabinete de Regina exonerado em 15 de maio, foi nomeado como secretário-adjunto da pasta.

Um encontro entre Bolsonaro e Frias no Palácio do Planalto, na quinta-feira (18), selou a decisão para o cargo que ficou vago por cerca de um mês. Segundo a CNN Brasil, o ator já era cotado pelo presidente para assumir o lugar de Regina. Em entrevista à emissoria naquele dia, o ator disse que “seria uma honra” ocupar o cargo.

“[Aceitaria] sem dúvida. Não tenho medo disso, não. Tenho vontade, tenho conhecimento e não tenho pretensão nenhuma de ser o dono da verdade. Se essa oportunidade vier para mim, vou montar um time de primeira”, afirmou, na ocasião.

Frias ganhou notoriedade por seus papéis na TV entre o fim dos anos 1990 e o começo dos anos 2000, quando participou de telenovelas como “Malhação” (Globo) e “Floribella” (Band), também com atuações em “O Beijo do Vampiro” (Globo), “Senhora do Destino” (Globo) e “Os Mutantes” (Record).  

Como apresentador, ele apresentou os programas “O Último Passageiro” e “A Melhor Viagem”, ambos na RedeTV!. Frias não tem experiência prévia em gestão cultural e no setor público.

 
 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.