Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

CAMPO GRANDE

Sessão da Câmara Municipal é cancelada em luto pela morte de pai de vereador

Pai do vereador André Salineiro morreu de Covid-19, em Campo Grande
27/10/2020 10:32 - Glaucea Vaccari


Câmara Municipal de Campo Grande declarou luto oficial de três dias pela morte do pai do vereador André Salineiro (Avante), Hermes Bocca Salineiro, vítima da Covid-19.

Devido ao luto, a sessão ordinária remota desta terça-feira (20) na Casa de Leis foi cancelada, conforme ato da Mesa Diretora. 

Em sinal de respeito, bandeiras da sede do Legislativo Municipal estão hasteados a meio mastro.

Para a sessão de hoje, havia quatro projetos para votação, sendo um que dispõe sobre liberação da entrada de animais de estimação em casas de repouso destinadas a idosos; um que denomina área de recreação; projeto que inclui a festa de Santa Luzia no calendário oficial de eventos da Capital e outro que autoriza a implantação de caixas coletoras de máscaras. 

Luto

Hermes Bocca Salineiro foi diagnosticado com Covid-19 e estava internado há dois meses. Ele morreu no último domingo (25), aos 69 anos, em decorrência de complicações da doença.

Assim como o filho, Hermes foi vereador, de 1984 a 1988, em Três Lagoas.

Nascido em Birigui (SP) e formado em administração, ele residiu por muitos anos em Mato Grosso do Sul.

Em 1979, Salineiro assumiu a delegacia da Ciretran, onde atuou também como comerciante.

Em 1989, veio para Campo Grande, onde foi empresário dos ramos automobilístico e alimentício, além de campista da Igreja Católica. 

Hermes Salineiro deixa a esposa, cinco filhos e sete netos. 

 
 

Felpuda


Ex-petista de quatro costados, que acabou se aboletando em outro partido já há algum tempo, decidiu se submeter mais uma vez às urnas na tentativa de voltar a comandar cidade do interior de Mato Grosso do Sul. O eleitorado não botou fé e decidiu reeleger o atual prefeito.

Agora, há quem diga que o dito-cujo, que é fã de Carnaval, já pode ir preparando sua fantasia: “palhaço das perdidas ilusões”. Ô maldade!