Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PROCESSADO POR CALÚNIA

Desembargador dá 48 horas para Capitão Contar provar acusações contra Azambuja

Depois de acusações de Contar nas redes sociais, Azambuja processou deputado
02/06/2020 16:32 - Eduardo Miranda


O desembargador João Maria Lós deu 48 horas para o deputado estadual Capitão Contar (PSL) apresentar provas das denúncias que fez em suas redes sociais. No dia 2 de maio, o deputado foi ao Twitter, e revelou denúncia de suposto superfaturamento na compra de 60 mil cestas básicas pelo governo de Mato Grosso do Sul à Polícia Federal, Controladoria Geral da União, Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual e Tribunal de Contas.  

O desembargador atendeu pedido do governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), que move processo de calúnia contra Contar, por causa das denúncias feitas nas redes sociais. O pedido de esclarecimento também tem o respaldo do procurador-geral de Justiça (o chefe do Ministério Público de Mato Grosso do Sul) Alexandre Magno Benites de Lacerda.  

Foram duas postagens de Contar no Twitter, a primeira em 2 de maio, quando diz ter denunciado suposto superfaturamento à Polícia Federal, e uma segunda, do dia 6 de maio, em que afirma que suas denúncias contra “possíveis irregularidades nas gestões estadual e municipais”, fizeram com que grupos organizados começassem a se articular.  

O advogado de Azambuja, Ari Raghiant, quer que Capitão Contar prove o fato denunciado e pede os seguintes esclarecimentos: quem praticou o fato; se houve participação do governador; se na denúncia apresentou o autor do superfaturamento mencionado; se Contar utilizou dos mecanismos legais de pedidos de informação, ou mesmo da abertura de procedimento na Assembleia Legislativa. Raghiant também quer saber quem realizou comparativo de preços para chegar à conclusão de que houve a compra com sobrepreço; e se no comparativo foi utilizada a mesma metodologia de referência aplicada pelo governo.  

A defesa do governador de Mato Grosso do Sul ainda pede para o deputado estadual informar quais os grupos organizados que começaram a se articular, os integrantes dos tais grupos, se há a participação de Azambuja em tais grupos, e até mesmo, se Contar consegue provar se tais grupos - caso eles existam - constituem uma organização criminosa.  

CESTAS BÁSICAS

A compra das 60 mil cestas básicas, de forma emergencial (sem licitação) pelo governo de Mato Grosso do Sul, ocorreu no início de abril. Elas custaram R$ 5,8 milhões e foram distribuídas para famílias carentes.  

O deputado estadual Capitão Contar ainda não foi intimado pelo Poder Judiciário. Depois que isso ocorrer, deverá explicar suas acusações em 48h.

 

 
 
 

Felpuda


Pelo andar da carruagem, aqueles que se acham “proprietários” de certo partido não estão conseguindo encontrar alguém que possa encarar o desafio de ser cabeça de chapa e enfrentar adversários na disputa para prefeito. Até mesmo solução interna está difícil, porque   “lo mismo” mostra-se relutante em colocar a chuteira e participar do jogo. Tudo indica que a paciência do eleitor já se esgotou com a legenda, pelo que já foi demonstrado pelas urnas. E sai de baixo!