Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

POLÍTICA

Centrão critica Bolsonaro após demissão de Teich e apoio passa a ser dúvida

Parlamentares afirmam que será difícil apoiar o presidente diante da perda de popularidade
15/05/2020 15:32 - Da Redação


Após o pedido de demissão do agora ex-ministro da Saúde, Nelson Teich, parlamentares de partidos que integram o Centrão criticaram o presidente Jair Bolsonaro e o apoio ao governo é alvo de discussão. Representantes do grupo no Congresso afirmam, nos bastidores, que será difícil apoiar Bolsonaro em meio a queda de popularidade.  

Um dos líderes do Centrão, deputado Paulo Pereira da Silva (SP), conhecido como Paulinho da Força, disse, em nota, que “os impulsos” do presidente na condução da crise do novo coronavírus levaram ao pedido de demissão, afirmando que o ministro era “constantemente desautorizado” por Bolsonaro.  

"Duvido que alguém consiga fazer o presidente aprender com a ciência e perceber que reduzir o isolamento social é colocar mais brasileiros na fila de espera por uma vaga na UTI. O Brasil precisa de liderança, mas vai ser difícil encontrar um ministro que seja capaz de lidar, ao mesmo tempo, com a crise sanitária e com os impulsos de Jair Bolsonaro”, disse o deputado, que preside o Solidariedade.  

Deputado Marcelo Ramos (PL-AM), também compartilhou da mesma opinião. "Diante das imposições do presidente, só topará ser ministro da Saúde quem não tiver compromisso com a ciência e nem com a medicina. O pedido de demissão do ministro demonstrou que ele tem", afirmou.

De acordo pesquisa da empresa AP Exata, uma hora depois da demissão de Nelson Teich, a rejeição de Bolsonaro chegou a 65% nas redes sociais, aumento de 11% em relação ao levantamento anterior, antes da demissão.  

 

Felpuda


Apressadas que só, figurinhas tentaram se “apoderar” do protagonismo de decisão administrativa. Não ficaram sequer vermelhas quando se assanharam todas para dizer que tinham sido responsáveis pela assinatura de documento que, aliás, era uma medida estabelecida desde 2019. Quem viu o agito da dupla não pode deixar de se lembrar daquele pássaro da espécie Molothrus bonarienses, mais conhecido como chupim, mesmo. Afe!