Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

COVID-19

Com senadores infectados, semana será atípica em Brasília

Nelson Trad Filho e Davi Alcolumbre foram diagnosticados com coronavírus e estão isolados
20/03/2020 08:00 - Yarima Mecchi


A próxima semana será atípica no Senado Federal, com dois senadores diagnosticados com o novo coronavírus (Covid-19), sendo o presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e o presidente da Comissão de Relações Exteriores, Nelson Trad Filho (PSD-MS). Com isso, muitos parlamentares não devem ir a Brasília, e os que estão na cidade não devem comparecer às sessões e demais eventos internos. 

Simone Tebet (MDB-MS), presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), que também estava em isolamento, deve voltar para a Capital Federal na próxima semana. “Meu exame deve sair amanhã (hoje), mas a minha quarentena acaba amanhã (hoje), então, eu posso voltar na semana que vem. Mas será uma semana atípica no Senado, muito senadores não vão porque tiveram contato com o Davi”, ressaltou a senadora. 

De acordo com Simone, ela ficou isolada porque esteve no mesmo local que o senador Nelson Trad, quando ele retornou de sua viagem aos Estados Unidos da América (EUA), no dia 10 deste mês. 

“Eu não fiquei perto dele, estava com uma distância boa, e não apertei mão ou abracei, mas, como estive no mesmo local, por precaução, fiquei em quarentena”, destacou. 

O parlamentar está internado no Hospital Sírio-Libanês, em Brasília, desde quarta-feira (18), em razão dos agravamentos dos sintomas da doença. Ele teve febre e, conforme nota divulgada ontem pela assessoria de imprensa, apresentou melhoras e está mantendo uma boa oxigenação. O senador deve receber alta nos próximos dias. 

O presidente da Casa, Davi Alcolumbre, também precisou ir ao hospital na quarta-feira, mas teve alta na manhã de ontem. “O presidente do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre, realizou, na noite de quarta-feira (18), no Hospital Sírio-Libanês de Brasília, uma tomografia para acompanhar a evolução da infecção por Covid-19. Por recomendação médica, Davi Alcolumbre ficou em observação no local e recebeu alta na manhã desta quinta-feira (19). O presidente do Senado permanecerá em casa, em isolamento, de acordo com as orientações médicas”, diz nota oficial da assessoria do senador.

“O Congresso tem que estar aberto, não sabemos como vem essa comoção. A sociedade não vê o Congresso com bons olhos e temos que colocar o bem do País acima de nós. Temos que liberar quem usa o transporte coletivo, quem é do grupo de risco, mas não pode parar. Eu estou pronta para ficar lá [em Brasília]. Somos pagos para isso”, disse Tebet. 

A senadora não soube precisar a quantidade de parlamentares que não devem comparecer à Casa de Leis na próxima semana, mas alertou que as medidas de saúde recomendadas estão sendo tomadas para o poder Legislativo continuar ativo. 

“Estiveram muito próximos do Davi, muitos abraçaram ele. A semana que vem será a mais atípica do Senado”, reforçou a parlamentar. 

Dos três senadores de Mato Grosso do Sul, Simone deve ser a única a voltar para Brasília na semana que vem. 

Além de Nelson Trad, que está com a doença, a senadora Soraya Thronicke (PSL-MS) está em quarentena por precaução. “Ela ainda está em quarentena. Estou esperando até segunda-feira (23) para fazer um levantamento da nossa bancada federal. Na segunda, a gente vai ter um panorama maior e com mais clareza”, disse Tebet sobre os deputados federais do Estado.

CONGRESSO

O Correio do Estado procurou o Senado Federal e a Câmara dos Deputados para saber quantos parlamentares estão com a Covid-19 e quantos estão isolados por precaução. Apenas a Câmara respondeu: “Há dois deputados com diagnóstico confirmado de coronavírus e outros cinco com suspeita”.

 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.