Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORONAVÍRUS

Congresso usará dados de Covid-19 das secretarias de Saúde

Mudanças na forma de divulgação dos dados pelo Ministério da Saúde gerou polêmicas
08/06/2020 21:00 - Agência Brasil


 

O presidente do Congresso Nacional e do Senado, Davi Alcolumbre, afirmou nesta segunda-feira (8) que a comissão mista do Congresso criada para acompanhar a crise do novo coronavírus usará os dados fornecidos diretamente pelas secretarias estaduais de Saúde. A decisão foi anunciada após reunião de líderes, ocorrida hoje.

A comissão tem o objetivo de acompanhar a situação fiscal e a execução orçamentária e financeira das medidas de emergência em saúde pelo governo federal. O colegiado foi instituído pelo Decreto Legislativo n° 06/2020 que reconheceu o estado de calamidade pública e desobrigou o governo ao cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal.

Alguns senadores, como Eduardo Braga (MDB-AM), líder do seu partido no Senado; e Randolfe Rodrigues (Rede-AP), líder da oposição na Casa, sugeriram que o Congresso não dependesse mais dos dados fornecidos pelo Ministério da Saúde.

MUDANÇAS

Com a decisão, o Congresso abandona a contagem divulgada diariamente pelo Ministério da Saúde. O órgão mudou recentemente sua forma de divulgação do número de mortes e de contaminações pela Covid-19, divulgando apenas os dados das últimas 24 horas, desprezando os números totais. A pasta também passou a publicar os dados às 22h e na noite de domingo os números tiveram que ser corrigidos por conta de uma discrepância na quantidade de mortes. Mais recentemente, a pasta anunciou o uso de uma plataforma interativa, que trará a análise de casos e mortes por data de ocorrência, de forma regionalizada. A nova ferramenta deverá ser disponibilizada nesta semana.

 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.