Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ELEIÇÕES 2020

Convenções partidárias dão a largada para a campanha eleitoral em Campo Grande

Nesta semana e na próxima, partidos devem decidir quais serão seus candidatos nas eleições
01/09/2020 09:30 - Nyelder Rodrigues


Com a permissão para realizar as convenções que definirão os candidatos de cada partido às vagas de vereador – são 29 em Campo Grande – e prefeito, foi dado início à corrida eleitoral ontem em todo o País. 

Na capital sul-mato-grossense, vários partidos já têm data definida, enquanto outros ainda buscam um melhor momento.

Entre as siglas consultadas pela reportagem, a que dará o pontapé inicial nas convenções é o PDT. 

A legenda vai realizar amanhã a convenção que homologará os vereadores do partido, a partir das 8h. O evento on-line será transmitido nas redes sociais do partido.

Na quinta-feira, o PDT fará, às 10h, nos mesmos moldes, a convenção para homologar o deputado federal Dagoberto Nogueira e a também pedetista Kelly Costa como candidatos a prefeito e vice-prefeita de Campo Grande.

Também na quinta-feira, só que às 18h30min, será a vez do partido Novo colocar seu pré-candidato Guto Scarpanti sob o crivo dos correligionários para concorrer à cadeira na prefeitura da capital de Mato Grosso do Sul, maior cidade do Estado e única a contar com segundo turno.

O calendário de convenções prossegue com o evento do PP, que deve ocorrer no dia 8, a partir das 14h, e efetivar o nome de Esacheu Nascimento como candidato a prefeito. 

No dia 10, o evento será do Republicanos, às 19h. O nome do partido que deve ser homologado como candidato a prefeito é o do pastor Wilton Acosta.

Já no dia 13, às 9h, a política campo-grandense será agitada pela convenção petista para confirmar a candidatura do deputado estadual Pedro Kemp ao Executivo. 

O dia 15 pode ser mais agitado ainda, sendo a data provável para convenção do MDB, que vai lançar o deputado estadual Márcio Fernandes como candidato a prefeito. Contudo, a data ainda pode mudar.

Além disso, o dia 15 é a data escolhida pelo PSD, partido do atual prefeito Marcos Trad, que busca a reeleição e tem como possível vice o presidente da Câmara Municipal, João Rocha, do PSDB. A sigla tucana ainda não definiu data para fazer sua convenção. O evento peessedista ocorrerá a partir das 16h.

Fecha a lista de convenções apuradas pela reportagem o PSOL, que no dia 16 de setembro, às 17h, vai homologar o nome de Cris Duarte à prefeitura. Essa também é a data final para realização de convenções partidárias em todo o País. 

Outros partidos, como PSL (que tem Vinicius Siqueira como pré-candidato), Avante (Sérgio Harfouche), PV (Marcelo Bluma), Solidariedade (Marcelo Miglioli), PL (João Henrique Catan), Podemos (Sérgio Murilo), PSC (Paulo Matos) e PCdoB (Mário Fonseca), devem também lançar candidaturas à prefeitura de Campo Grande neste ano.

Contudo, a reportagem não conseguiu, até o fechamento desta edição, contato com os responsáveis de cada uma dessas siglas ou não obteve resposta sobre a data da convenção.

 
 

Mudanças

Por causa da pandemia de Covid-19, o calendário eleitoral de 2020 sofreu mudanças e vários procedimentos também foram adaptados. 

Além das convenções poderem ser feitas on-line, o registro das candidaturas poderá ser feito pela internet.

A redação da ata e o registro da lista de presença poderão ser feitos virtualmente perante a Justiça Eleitoral. O formato também poderá ser adotado para a definição dos critérios de distribuição do Fundo Especial de Financiamento de Campanha.  

Ferramentas tecnológicas poderão ser usadas livremente pelos partidos, conforme for entendido ser melhor para realizar as convenções. 

A lista de presença poderá ser registrada por assinatura eletrônica, registro de áudio e vídeo, coleta presencial ou outro mecanismo que possibilite a identificação dos participantes.

 

Felpuda


Questão de família acabou descambando para o lado da política, e a confusão já é do conhecimento público. 

A queda de braço tem como foco a troca de apoio político que, de um, foi para outro. Sem contar as ameaças de denúncia da figura central do imbróglio. 

A continuar assim, há quem diga que nenhum dos dois candidatos a vereador envolvidos na história conseguirá ser eleito. Barraco é pouco!