Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DENUNCIADO

Candidato a prefeito de Costa Rica é denunciado e pode ficar fora da disputa

le é acusado de ser sócio de uma empresa prestadora de serviço para a prefeitura, mesmo ocupando cargo no órgão
01/10/2020 19:00 - Flávio Veras


A Justiça Eleitoral irá avaliar se o candidato seria sócio administrador de uma empresa enquanto exercia o cargo de bioquímico do Serviço de Abastecimento de Água e Esgoto (SAAE) do município.

A denúncia foi protocolada pela Coligação Costa Rica para todos nós, composta pelo PP/PSDB e PSD.

O problema se agrava porque a empresa de Leandro teria se beneficiado, segundo a denúncia, de um contrato de R$ 157.500,00 (Cento e cinquenta e sete mil e quinhentos reais), conforme divulgado no diário oficial do município n. 1.952 de 7 de julho de 2017.  

Por lei, esse tipo de contrato é considerado irregular, configurando-se portando uma prática ilegal já que Leandro recebia salário como servidor público da prefeitura e, ainda segundo a denúncia, não poderia se beneficiar financeiramente desse tipo de transação comercial.

Além disso, Leandro é acusado de não ter se afastado legalmente da empresa no prazo estabelecido pela Lei Eleitoral que é de 6 meses antes do pleito. A coligação denunciante, pediu também a demissão dele do cargo de Bioquímico do SAAE, alegando ato de improbidade administrativa.  

O ofício foi enviado ao prefeito Waldeli dos Santos Rosa, tio e apoiador de Leandro Bortolazzi e ao Ministério Público Estadual (MPE).

A defesa de Leandro Bortolazzi negou “que ele tenha contrato com a prefeitura e informou que a candidatura dele Foi deferida pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MS). Ainda segundo a defesa do candidato, o recurso eleitoral contra o candidato Leandro embora protocolado dentro do prazo, traz matéria preclusa e por esse motivo não foi conhecida pela Justiça Eleitoral, ante a manifesta improcedência.”

 

 
 

Felpuda


Candidato a vereador caiu em desgraça, pelo menos em um dos bairros de Campo Grande, ao promover comício em ginásio de esporte, com direito a ônibus lotados e espoucar de muitos fogos de artifício.

Aí dito-cujo foi alvo de muitas críticas, tanto pela zoeira causada, como por ter mandado às favas quaisquer cuidados na prevenção da Covid-19, ao promover grande aglomeração. Irresponsabilidade é pouco, hein?!