Política

Política

Criança com atraso na fala pode precisar de ajuda

Criança com atraso na fala pode precisar de ajuda

Redação

27/02/2010 - 04h51
Continue lendo...

Todo pediatra conhece a frustração de tentar qualificar habilidades da fala e da linguagem de uma criancinha que chora. Quantas palavras ela consegue dizer? Ela consegue colocar duas ou mais palavras juntas numa frase? Outras pessoas, que não você, conseguem entendê-la quando ela fala? Perguntas como essas, feitas aos pais, são os parâmetros rápidos e crus que muitas vezes usamos. Crua ou não, a avaliação é crucial: quanto mais cedo ela é feita, mais precocemente a criança com atraso na fala pode receber ajuda. Quanto mais cedo a ajuda, melhores as perspectivas. “O médico que entende o atraso na fala entende o desenvolvimento infantil”, afirmou James Coplan, pediatra de desenvolvimento neural em Rosemont, Pensilvânia, que criou um método para medir a linguagem da criança, até os 3 anos. “As crianças no primeiro ano entendem grande parte do que ouvem ao seu redor”, disse Diane R. Paul, diretora do grupo de questões clínicas em patologia da linguagem e da fala. Crianças de um ano, ela continuou, “começam a usar palavras soltas, seguir orientações simples, apontar para partes do corpo e ouvir histórias simples”. Com cerca de 2 anos, elas começam a unir palavras; aos 3, elas devem usar frases de, no mínimo, três palavras. O atraso As primeiras expressões podem ser simples, mas o que as produz é muito complexo. Quando uma criança não alcança esses marcos, pode haver várias razões. Coplan, que também é autor do livro “Making sense of autistic spectrum disorders” (Random House, 2010), afirma observar o atraso na fala num contexto bastante amplo, da cognição à comunicação. Será que é um problema puramente relacionado com a fala e a linguagem, ou há um atraso mais amplo? Será que algo deu errado nas relações sociais da criança? A primeira coisa é perguntar se a criança pode ouvir. Hoje, todos os recém-nascidos têm sua audição examinada antes de deixar a maternidade, mas exames posteriores podem captar perdas de audição progressivas ou adquiridas. Próxima pergunta: e o resto do desenvolvimento da criança? O atraso na fala e na linguagem pode ser uma forma como pais e pediatras notam pela primeira vez um atraso mais amplo no desenvolvimento. “Você pode observar atrasos na linguagem receptiva, no uso de habilidades visuais, como apontar, habilidades de adaptação, como usar uma colher ou um lápis de cera”, disse Coplan. “Uma criança de 1 ano e meio que não segue comandos, que não usa uma colher para cavar, isso é um atraso mais amplo”. Questões de fala e linguagem também podem ser indícios precoces de transtornos de neurodesenvolvimento, incluindo as várias formas de autismo. Nem todas as crianças com autismo têm fala atrasada, embora muitas vezes elas não usem suas palavras para se comunicar; uma criança assim pode ter memorizado o alfabeto, disse Coplan, sem nunca ter aprendido a dizer “mamãe e papai”. É preciso conversar Se o desenvolvimento e a audição da criança estão bem, uma questão é considerar o ambiente. Alguém conversa com o bebê? Algo está atrapalhando – talvez um lar excepcionalmente caótico, talvez um pai depressivo? O desenvolvimento da linguagem e da fala exige estímulo. Pediatras foram culpados no passado por serem lentos no diagnóstico de atraso na fala, mas os tempos são outros; Coplan reconheceu a defesa dos pais e programas federais de intervenção precoce, que fazem com que crianças com menos de 3 anos possam receber uma avaliação gratuita. Os pediatras são sempre lembrados a ficarem atentos a atrasos na fala e na linguagem – não dar de ombros e simplesmente dizer que os meninos começam a falar depois das meninas, ou que irmãos mais novos começam a falar mais tarde em relação aos mais velhos. Esses fatores podem contribuir para uma variação normal, mas eles não deveriam ser usados para explicar o motivo pelo qual uma criança não alcança os marcos essenciais. Como todo pediatra sabe, os verdadeiros especialistas nessa história são os patologistas de fala e linguagem. Paul deu dicas genéricas a pais que querem melhorar as habilidades de comunicação de seus filhos: “Fale com sua criança sobre o que elas estão focadas. Leia para seu filho com frequência. Se eles são de uma família bilíngue, fale e leia para a criança na língua com a qual você se sente mais confortável. Fale claramente e de forma natural, use palavras reais. Mostre empolgação quando a criança fala”. E ouça o que a criança tem a dizer.

ELEIÇÕES 2024

Nem candidata nem vice comparecem à convenção do PT na Capital

A alegação é de que Zeca e Camila Jara tinham outros compromissos, mas ninguém quis informar qual seria o compromisso da deputada, que nem nas redes sociais se manifestou.

20/07/2024 13h00

em convenção do PT, Pedro Kemp dialogou sobre estratégias do partido para a corrida eleitoral

em convenção do PT, Pedro Kemp dialogou sobre estratégias do partido para a corrida eleitoral Foto: Alexandra Cavalcanti

Continue Lendo...


A corrida eleitoral do Partido dos Trabalhadores pelo comando da prefeitura de Campo Grande, neste sábado (20), foi marcada pela ausência dos principais interessado pelos cargos, a deputada federal  Camila Jara e o deputado estadual Zeca do PT, respectivamente candidatos a prefeito e vice. 

Durante a conveção do partido, que lançou 30 candidatos para a disputa das 29 vagas de vereador de Campo Grande, o presidente do Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores, Agamenon Rodrigues, justificou a ausência dos pré-candidatos em razão da agenda de ambos, que já tinham compromissos agendados previamente.

Zeca, segundo a assessoria do PT, estaria em uma agenda em Amambai, no sul do Estado. Sobre o suposto compromisso de Camila Jara, porém, ninguém quis se pronunciar. Sempre ativa nas redes sociais, com pelo menos três postagens diárias, nem mesmo no Instagran ela havia se manifestado até 13 horas deste sábado. A última postagem foi por volta das 22 horas de sexta-feira, quando falou sobre uma entrevista que concedeu a um jornal semanário da Capital.

Apesar da falta, o presidente do diretório afirmou que em breve o partido realizará outro evento com a presença da candidata e do vice, mas que dessa vez será “maior e também contará com a presença da Deputada Federal, Gleisi Hoffmann”, presidente nacional do PT.

Mesmo sem a presença deles, o presidente do diretório confirmou o nome  dos dos deputados para a disputa eleitoral da Prefeitura de Campo Grande. O anúncio foi feito por Agamenon, acompanhado do deputado estadual Pedro Kemp (PT). 

De acordo com Pedro Kemp, a escolha da deputada Camila Jara para prefeita surgiu no início do ano e foi pensada de maneira estratégica para contemplar um projeto de juventude do partido para a cidade. Já o vice, Zeca, foi convidado recentemente para compor a chapa eleitoral. 
    
“Já no início do ano pensamos na candidatura da Camila. Agora, mais recentemente, numa reunião interna nossa, fizemos um convite para o ex-governador Zeca do PT e, de pronto, ele aceitou e colocou o nome dele a posição de candidato a vice na chapa”, comentou o Deputado. 

Otimismo

Além do anúncio da candidatura, o deputado também reforçou que não restam dúvidas de que a candidata alcance o segundo turno das eleições na capital. Segundo ele, o partido  deve contar de início com o apoio daqueles que votaram no atual presidente Lula na última eleição. 

“Essa é a nossa primeira estratégia, buscar quem votou no Lula na eleição passada Vota na Camila, vota no Zeca, já vai garantir a nossa vaga no segundo turno. E no segundo turno, nós vamos dialogar com a cidade.”, comentou Kemp, com tom otimista. 

Não somente, de acordo com o atual candidato a vereador, Jean Ferreira, o partido não só acredita que a candidata vá ao segundo turno, mas que também terá o apoio de outros partidos próximos para a corrida eleitoral. 

“Acreditamos que levaremos a Camila pro segundo turno, né? Tanto que estamos fortalecendo a campanha dela pra isso. O partido tem as suas aproximações, mas a princípio a gente conta com que essas aproximações venham conosco para o segundo turno”, comentou o pré-candidato a vereador de Campo Grande.

 

ELEIÇÕES 2024

Capitão Contar não descarta ser vice de Adriane, que celebra a possível aliança

A prefeita de Campo Grande lançou oficialmente a pré-campanha à reeleição, mas não revelou quem será seu vice

20/07/2024 08h00

A prefeita de Campo Grande, Adriane Lopes (PP), no lançamento da sua pré-campanha à reeleição

A prefeita de Campo Grande, Adriane Lopes (PP), no lançamento da sua pré-campanha à reeleição Foto: Gerson Oliveira

Continue Lendo...

O ex-deputado estadual Capitão Contar (PRTB) confirmou, com exclusividade ao Correio do Estado, que não está descartada a possibilidade de ser o candidato a vice-prefeito na chapa encabeçada pela prefeita de Campo Grande, Adriane Lopes (PP), que lançou oficialmente na noite de sexta-feira a pré-campanha à reeleição no pleito do próximo dia 6 de outubro.

 “Tenho muita coisa para alinhar antes de qualquer definição. Ainda vou conversar com o presidente Jair Bolsonaro (PL) novamente para tomar essa decisão”, declarou o militar da reserva do Exército.

Para o Capitão Contar, essa é uma aliança que precisa ser muito bem costurada para não ter pontas soltas que mais para a frente deem problemas. Além disso, o nome de Adriane Lopes tem certa rejeição junto aos bolsonaristas e isso precisa ser levado em consideração.

Entretanto, pesa a favor da aliança do ex-deputado estadual com Adriane Lopes o fato de a prefeita não poder mais disputar a eleição municipal de 2028, abrindo caminho para que o Capitão Contar possa ser o legítimo sucessor ao cargo de chefe do Executivo da Capital.

O Correio do Estado conversou, também com exclusividade, com a prefeita Adriane Lopes durante o lançamento oficial da sua pré-campanha sobre a possibilidade de o Capitão Contar aceitar o convite para ser o seu vice e ela ficou muito contente com a chance. 

 “As alianças são muito bem-vindas e eu tenho um bom relacionamento com o Contar. Se ele vier para coligar conosco, eu vou ficar muito feliz. Trata-se de uma pessoa séria e responsável, além de ser conservador, de direita e que defende os mesmos valores que eu defendo”, declarou.
 

O EVENTO

Acompanhada do esposo, deputado estadual Lídio Lopes (sem partido), da senadora Tereza Cristina (PP-MS) e do deputado federal Dr. Luiz Ovando (PP-MS), Adriane Lopes afirmou que “não tem medo dos poderosos”, que está confiante com o trabalho feito e se intitulou como a “única mulher prefeita conservadora de capitais do Brasil”.

O lançamento da pré-campanha foi no Bairro Vivendas do Bosque e, além de políticos, contou com a participação de apoiadores vestidos de verde e amarelo, a pedido da prefeita. Ela assumiu a chefia do Executivo municipal em 2022, quando o então prefeito Marquinhos Trad, que na época era do PSD e hoje está no PDT, do qual era vice, renunciou para concorrer às eleições gerais para governador, que terminou com Eduardo Riedel (PSDB) eleito.

Ela tentará, neste ano, ser a primeira prefeita eleita por voto na Capital e destacou que já sofreu preconceitos por ser mulher, além de ressaltar o trabalho realizado nos últimos dois anos à frente da gestão municipal. 

“Vocês sabem como eu assumi a gestão, muitos sabem as batalhas travadas, as noites sem dormir, os desafios e muitos ainda disseram: ‘ela não vai dar conta’. Estamos aqui para celebrar avanços, conquistas, fizemos o que ninguém fez nessa cidade, se disserem que não tem problemas, vão estar mentindo, uma cidade de quase um milhão de habitantes tem problemas sim, não vamos maquiar, mas com equipe, trabalho sério e responsabilidade, nós temos coragem para fazer o certo”, discursou.

 Adriane Lopes completou que não tem “medo dos poderosos deste estado, já sofri muito preconceito, mas a senadora Tereza Cristina sempre disse que ‘nunca seja vítima, avance com coragem, vá com fé, força e determinação e não abaixe a cabeça para nenhuma situação”. “Quando se assume a gestão, assume o que é bom e o que é ruim e o que é ruim estamos dando solução”, disse.

Ao fim do discurso, ela afirmou que Campo Grande não está à venda e que ela espera continuar com o trabalho de fazer da Capital uma capital de oportunidades.

A senadora Tereza Cristina e, sem citar nomes, destacou que os percalços, como o apoio do ex-presidente Jair Bolsonaro, que era esperado, mas acabou não se concretizando, não a farão soltar a mão de Adriane Lopes.

“O PP está muito feliz de estar lançando a única prefeita conservadora. Eu sei os cachos de banana que puseram no seu caminho para você cair, mas você, a cada dia, acorda disposta e vai lá sem mimimi e vencer, passa por cima e resolve os problemas. Cada dificuldade que colocam na nossa frente, nos dá mais força”, afirmou.

“Campo Grande precisa da continuidade e da estabilidade de alguém que conheça suas demandas e tenha capacidade para resolvê-las. As alianças regionais devem compartilhar nossos princípios, que devem respeitar o nosso alinhamento nacional. Fazemos parte de um projeto maior, rumo a um Brasil soberano, forte e respeitado, mas Campo Grande merece e exige continuar no caminho certo e você é a única pré-candidata nesta cidade que representa de verdade esses valores: pátria, liberdade e família”, acrescentou a senadora.

O deputado federal Dr. Luiz Ovando também citou o que chamou de casca de banana no caminho de Adriane Lopes. “A prefeita foi vítima e todos fomos pegos de surpresa por atitudes hostis, infidelidade e agressividade em que se jogou tudo na lata do lixo, não só a casca de banana, mas a penca inteira na tentativa de derrubar a prefeita. Não podemos aceitar esse tipo de comportamento, não se pode aceitar atitudes rasteiras de quem quer que seja, venha de onde vier, nós vamos vencer”, discursou.

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).