Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

ELEIÇÕES 2020

Custo do voto em eleição para prefeito chegou a R$ 178 em Campo Grande

Voto em Dagoberto (PDT) e Marcelo Miglioli (SD) foram os mais caros nestas eleições
18/11/2020 09:15 - Da Redação


Os votos mais caros destas eleições para prefeito em Campo Grande foram os 6.507 direcionados ao deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT). Cada voto custou R$ 178,30, valor 3.637% maior do que o custo de cada voto dado ao prefeito reeleito, Marquinhos Trad (PSD).

Na eleição municipal deste ano, Trad gastou R$ 4,77 por voto recebido. A campanha à reeleição custou, conforme os números informados ontem pela Justiça Eleitoral, R$ 1,04 milhão.  

Dagoberto justificou o fato de sua campanha ter sido a campeã de gastos. Segundo ele, o motivo foi uma candidatura de última hora para que fosse possível destinar verba aos vereadores. “Quis fazer uma experiência. Não contratei ninguém. Investi tudo nos vereadores, que não atenderam às expectativas. Achei que poderíamos fazer de dois a três eleitos. Fiz apenas um”, afirma.  

Questionado sobre uma futura candidatura, o deputado diz que ainda é muito cedo, mas, se acontecer, fará diferente, sem pensar apenas no repasse para os vereadores.  

Segundo dados disponibilizados pelo Tribunal Superior Eleitoral, Dagoberto Nogueira recebeu 6.507 votos na Capital, gastou R$ 1.160.244,01 e repassou R$ 734.800,00 para outros candidatos.

Acompanhe as últimas notícias do Correio do Estado

Mais candidatos

Outro que também apresentou um gasto significativo com cada voto foi Paulo Matos (PSC). O candidato gastou R$ 123,71 por voto adquirido. Com 1.884 votos, Matos disse que fez uma campanha limpa e que vai entrar com pedido para que as contas sejam avaliadas pela justiça. “Existe uma diferença de gastar muito e gastar a verdade. Eu falei a verdade, meus recursos estão 100% declarados, sem despesa por fora. Estou estudando e conversando com meus advogados para apurar tudo isso. A Justiça Eleitoral deveria apurar de onde veio todo esse dinheiro”.

Reeleito no primeiro turno com 52,58% dos votos, Marquinhos Trad (PSD) teve um gasto de R$ 4,77 por voto. No domingo (15), o prefeito de Campo Grande recebeu 218.418 votos com uma campanha milionária.  

O Promotor Harfouche (Avante), mesmo com sua candidatura indeferida pelo Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul, se posicionou em segundo na corrida à prefeitura e levou 11% dos votos em Campo Grande, apresentando um gasto de R$ 2,73 por voto.  

Vinicius Siqueira (PSL), por enquanto, é quem menos apresentou gasto por voto na campanha eleitoral. O candidato informou ao Tribunal Regional Eleitoral um gasto total de R$ 60.250,00 e cada voto recebido custou cerca de R$ 1,76.  

Estes R$ 60,2 mil informados à Justiça Eleitoral, porém, subirão em breve, uma vez que somente para a Facebook do Brasil Siqueira pagou R$ 189,3 mil em impulsionamentos em duas das redes da empresa: Facebook e Instagram. 

 
 

Felpuda


Ex-petista de quatro costados, que acabou se aboletando em outro partido já há algum tempo, decidiu se submeter mais uma vez às urnas na tentativa de voltar a comandar cidade do interior de Mato Grosso do Sul. O eleitorado não botou fé e decidiu reeleger o atual prefeito.

Agora, há quem diga que o dito-cujo, que é fã de Carnaval, já pode ir preparando sua fantasia: “palhaço das perdidas ilusões”. Ô maldade!