Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FLÁVIO BOLSONARO

Defesa diz que Flávio não sabia sobre vazamento

Senador prestou depoimento ao MPF hoje em Brasília
21/07/2020 03:00 - Agência Brasil


A defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) disse hoje (20) que o parlamentar não teve conhecimento sobre o suposto vazamento de informações da Operação Furna da Onça, da Polícia Federal (PF), deflagrada em 2018 para apurar desvios na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). 

O senador prestou depoimento nesta segunda-feira ao procurador Eduardo Benones, do Ministério Público Federal (MPF), em Brasília, na condição de testemunha. Antes de ser eleito para o Senado, Flávio Bolsonaro ocupava o cargo de deputado estadual. 

A investigação sobre o suposto vazamento foi aberta após reportagem afirmar que um delegado da PF teria antecipado informações sobre a investigação a Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio na Alerj. A denúncia foi feita pelo empresário Paulo Marinho, suplente do senador e pré-candidato à prefeitura do Rio nas eleições deste ano. 

De acordo com a advogada Luciana Pires, nunca chegou ao conhecimento do senador nenhuma informação sobre a Operação Furna da Onça. “O depoimento durou meia-hora, 40 minutos. As perguntas foram no sentido se o senador obteve alguma informação sobre o vazamento da Furna da Onça. Ele respondeu categoricamente que não, nunca teve essa informação”, afirmou.

Ao deixar o Senado após o depoimento, Flávio Bolsonaro disse que Marinho quis levantar suspeitas contra ele para se promover. 

"Isso aí é página virada. Espero que o Ministério Público do Rio e a Polícia Federal tomem as providências com relação as mentiras que ele inventou”, disse.

 
 

Felpuda


Falatório e atitude de membro da família acenderam a luz vermelha no “QG” de candidato, pois poderão causar muitos estragos. 

A tropa de choque de defensores do candidato a prefeito já foi colocada em campo e só falta falar que os genes de ambos são diferentes. 

E com relação ao dito-cujo, sabe-se que deverá ser orientado a “baixar a bola” nos próximos dias, mais precisamente até o término da campanha eleitoral.

Afinal...