Política

3ª fase da "Tromper

A+ A-

Diretório do PSDB de Campo Grande diz que vereador foi preso por "mera investigação"

Em nota, o partido relatou que os fatos investigados estão relacionados a casos de Sidrolândia e que não tem nenhuma relação ao seu mandato na Câmara Municipal

Continue lendo...

Após a prisão do vereador Cláudio Serra Filho, conhecido como "Claudinho Serra", ocorrida na manhã de hoje (3) em Campo Grande, a Executiva Municipal do PSDB se pronunciou destacando que os fatos investigados pela operação Tromper, deflagrada pelo Gecoc (Grupo Especial de Combate à Corrupção) e Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), não estão relacionados ao mandato exercido na Câmara Municipal. Segundo a nota divulgada, os eventos investigados referem-se a casos no município de Sidrolândia. 

Os agentes estiveram nas ruas na manhã de hoje, cumprindo 8 mandados de prisão e 28 de busca e apreensão, revelando indícios de uma organização criminosa que realizava fraudes em licitações e contratos administrativos relacionados à prefeitura de Sidrolândia. 
 
Um desses contratos, que está sob investigação, apresenta cerca de R$15 milhões que envolve áreas de engenharia e pavimentação asfáltica. No município que fica localizado a 71 quilômetros de Campo Grande, o parlamentar atuou como secretário Municipal de Fazenda, Tributação e Gestão Estratégica na gestão da prefeita Vanda Camillo (PP), até maio de 2023, quando deixou a pasta para exercer o mandato de vereador em Campo Grande. 

Em nota oficial, o PSDB relatou que o inquérito representa apenas investigações relacionadas a outro mandato, não tendo nenhuma relação com o mandato exercido na Câmara Municipal da Capital. 

O partido tucano ainda relatou que aguarda o resultado final da apuração, bem como as manifestações de defesa do vereador ao Ministério Público. Ainda em nota, o PSDB ressaltou que cabe ao Judiciário conduzir e julgar uma eventual ação penal.  

Acompanhe a nota abaixo: 

A Executiva Municipal do PSDB em Campo Grande, tomou conhecimento do ocorrido com o vereador Cláudio Serra na manhã desta quarta-feira (03/04).

Por tudo que foi relatado pela imprensa, os fatos investigados são relacionados ao município de Sidrolândia e não tem nenhuma relação com o mandato exercido na Câmara Municipal de Campo Grande.

Portanto, não há que fazer qualquer juízo de valor nesta fase, porque inquérito é mera investigação. Sendo assim, é preciso aguardar o resultado da apuração, a manifestação da defesa e do Ministério Público, além do Judiciário, a quem cabe conduzir e julgar a Ação Penal, se for instaurada.

Por fim, seguimos confiantes na justiça e no trabalho das autoridades.

Diretório Municipal do PSDB

Vereador é preso suspeito de corrupção

Além do então vereador por Campo Grande, Claudinho Serra (PSDB), outros nomes também foram presos na manhã desta quarta-feira (03), durante 3ª fase da Operação Tromper - que apura esquema corrupção envolvendo o executivo municipal de Sidrolândia -, entre eles um ex-assessor do parlamentar; um empresário do ramo de construções e até indivíduos presos em etapas anteriores. 

Entre os presos de renome conduzidos em Campo Grande na manhã de hoje (03), encontram: Claudinho Serra; Thiago Alves, ex-assessor do parlamentar e Edmilson Rosa, mais conhecido como Rosinha. 

Conforme apurado pelo Correio do Estado, Edmilson foi o único a ser liberado ainda no período da manhã, após pagar uma fiança no valor refente a um salário mínimo. 

Saindo da Delegacia Centro Especializado de Polícia Integrada (Depac/Cepol) de Campo Grande em uma viatura do Batalhão de Choque, Edmilson foi pego e conduzido devido ao porte ilegal de arma de fogo.

Inclusive, reforçando a relação com o esquema, a empresa da qual Edmilson Rosa é sócio, a RMW Empreendimentos Ltda., aparece vencendo uma série de contratos para manutenção de rodovias estaduais, sendo que as atividades envolvem desde a manutenção e conservação de prédios públicos até localização de mão-de-obra e veículos especializados. 
Além disso, segundo apuração da mídia local, dois servidores de Sidrolândia foram afastados de forma preventiva na manhã de hoje (03), conforme apuração do portal Região News, sendo: Rafael Rodrigues e Paulo Vitor, secretários municipal de educação e adjunto de assistência social, respectivamente. 

Em nota, o município - gerido por Vanda Camilo - cita mais uma vez que a Prefeitura Municipal de Sidrolândia acompanha o andamento da operação e que está à disposição das autoridades para colaborar com as investigações, fornecendo todas as informações e documentos solicitados.

"A administração municipal reitera seu compromisso com a transparência e a lisura dos atos públicos", completa o Executivo.

Edmilson foi o único a ser liberado ainda no período da manhã, após pagar uma fiança no valor refente a um salário mínimo.Edmilson foi o único a ser liberado ainda no período da manhã, após pagar uma fiança no valor refente a um salário mínimo. - Marcelo Victor/ Izaias Medeiros e Lucas Martins/Região News

Operação Tromper
Verbo traduzido do Francês, "Tromper" é o termo que batiza a operação que significa basicamente "enganar", hoje (03) o Ministério Público de Mato Grosso do Sul voltou às ruas com apoio do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE), do Batalhão de Choque e da Força Tática da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso do Sul, além da assessoria militar do MPMS.

Também, o Ministério Público aponta, com base nos trabalhos do Grupo Especial de Combate à Corrupção (GECOC), que os contratos objetos da investigação alcançam o montante aproximado de R$ 15 milhões.

Inclusive, os desdobramentos das investigações do Grupo indicam a existência de uma organização criminosa especializada em fraudes em licitações e contratos administrativos. 

Vale lembrar que essa ação da manhã de hoje (03) consiste na 3ª fase da Operação, sendo que um dos nomes presos nesta quarta-feira voltou a ser alvo de prisão pela Tromper. 

Ueverton da Silva Macedo, de 34 anos, também conhecido como "Fracura" foi o caso de quem voltou a ser preso como alvo da operação, uma vez que a denúncia sobre seu nome é que ele seria o líder da organização responsável pelo desvio de recursos da Prefeitura local. 

 

*Colaborou LEO RIBEIRO E NAIARA CAMARGO

Assine o Correio do Estado 

GUERRA IMINENTE

Assembleia Legislativa de MS manifesta temor por conflito entre Israel e Irã

Deputado Gerson Claro afirmou que a iminente guerra pode causar crise com efeitos no Brasil e em MS

16/04/2024 12h00

Presidente da Assembleia Legislativa se manifestou em nome da Casa Foto: Luciana Nassar

Continue Lendo...

O ataque do Irã a Israel ocorrido no último fim de semana pode levar a uma escalada nos conflitos da região e acende o alerta em toda a comunidade internacional. Em Mato Grosso do Sul, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Gerson Claro (PP), manifestou temor com a possibilidade de uma guerra.

Ele usou a palavra antes da abertura da sessão desta terça-feira (16) e disse, em nome da Casa, que é iminente o conflito e há uma pressão na política internacional, já tendo havido manifestação de autoridades brasileiras.

“Nós não poderíamos deixar de nos manifestar com preocupação, porque é certo que qualquer reação neste momento de crise pode ocorrer que esse conflito se torne em um acontecimento, que já é de influência mundial, seja ainda maior", disse.

"A gente pede, nesse momento, em nome do Parlamento sul-mato-grossense, que as autoridades, sejam elas americanas que tenham influência na ONU [Organização das Nações Unidas], ou nacionais, em nossas embaixadas, possam agir de maneira a buscar o diálogo e a tolerância, porque esse conflito, e a maneira que o próprio Irã respondeu a um eventual ataque ainda não assumido por Israel, nos preocupa e nos coloca em alerta, porque sabemos que os acontecimentos iminentes podem atingir nosso País”, acrescentou.

"A gente acompanha com muito temor e com expectativa que o equilíbrio possa tomar conta das negociações nesse momento e que esse iminente perigo de uma guerra possa parar onde está", concluiu Gerson Claro.

Conflito no Oriente Médio

A guerra teve início em 7 de outubro de 2023, quando o Hamas fez um ataque surpresa a Israel, que deixou 1,4 mil mortos e capturou cerca de 200 reféns.

Desde então, mais de 32 mil pessoas perderam a vida em toda a Faixa de Gaza e na Cisjordânia, incluindo 13 mil crianças, e mais de 74 mil ficaram feridos, de acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Cerca de 1,7 milhão, quase 80% da população da Faixa de Gaza, foram deslocadas. Dessas, 850 mil são crianças.

No início deste mês, aviões de combate supostamente israelenses bombardearam a Embaixada do Irã na Síria. O ataque matou sete conselheiros militares iranianos e três comandantes seniores.

No sábado (13), a ofensiva foi do Irã, que atacou o território israelense com mísseis e drones, que em grande parte foram interceptados pelas forças de defesa israelenses.

Após o ataque iraniano, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil divulgou, no sábado (13) à noite, uma nota no qual o governo brasileiro manifesta "grave preocupação" com relatos de envio de drones e mísseis do Irã em direção a Israel.

De acordo com a nota, a ação militar deixou em alerta países vizinhos e exige que a comunidade internacional mobilize esforços para evitar uma escalada no conflito.

* Com Agência Brasil

CAMPO GRANDE

André depende de financiamento para confirmar a pré-candidatura a prefeito

O ex-governador terá reunião com o presidente nacional do partido para viabilizar os recursos para a campanha eleitoral

16/04/2024 09h00

André Puccinelli participou ontem da rodada de entrevistas feita pela CBN e Correio do Estado Foto: Divulgação

Continue Lendo...

Após participar da primeira de uma série de entrevistas que a Rádio CBN Campo Grande e o Correio do Estado realizarão com seis pré-candidatos à prefeitura da Capital, o ex-governador André Puccinelli (MDB) disse que aguarda até o fim do mês de maio para bater o martelo sobre disputar ou não o pleito do próximo dia 6 de outubro.

Segundo André Puccinelli, nos próximos dias terá uma reunião, em Brasília (DF), com o presidente nacional do partido, deputado federal Baleia Rossi (MDB-SP), para alinhar a liberação de recursos para a campanha eleitoral para prefeito de Campo Grande.

“Eu e o presidente estadual do MDB, o ex-senador Waldemir Moka, teremos essa reunião com o Baleia Rossi para definir o montante de recursos que serão destinados para a minha campanha eleitoral a prefeito da Capital”, declarou o político, que já administrou Campo Grande por dois mandatos consecutivos – de 1º de janeiro de 1997 a 1º de janeiro de 2005.

O ex-governador ressaltou que ele e Moka vão combinar com Baleia Rossi uma data para a liberação dos recursos necessários para a realização da campanha eleitoral.

“Vou explicar ao presidente nacional do MDB que preciso de uma quantia x para fazer a campanha eleitoral e que posso aguardar somente até o fim do mês de maio, caso contrário não vou concorrer. Sem recursos, é melhor ir pescar e cuidar dos netos”, assegurou.

Para viabilizar o recurso suficiente para a campanha, André Puccinelli vai levar para Baleia Rossi as últimas pesquisas de intenções de votos, que, conforme ele, demonstram sua liderança na disputa pela prefeitura e também a redução da sua rejeição junto ao eleitorado campo-grandense.

"Teremos essa reunião com o Baleia Rossi para definir o montante de recursos que serão destinados para a minha campanha eleitoral a prefeito da Capital”, André Puccinelli, explicando que sem recursos não terá como disputar a prefeitura

Sobre alianças para a eleição no munípio, o ex-governador reforçou que, por enquanto, o único partido acertado com o MDB é o Solidariedade, que atualmente é presidido pelo seu filho, André Puccinelli Júnior. Com relação aos demais partidos, ele disse que isso será tratado mais adiante.

ENTREVISTAS

Na manhã de ontem, a Rádio CBN Campo Grande e o Correio do Estado iniciaram a série de entrevistas com seis pré-candidatos à Prefeitura de Campo Grande.

O primeiro foi André Puccinelli e os próximos serão o ex-deputado estadual Rafael Tavares (PL), amanhã, o deputado federal Beto Pereira (PSDB-MS) no dia 19, a ex-deputada federal Rose Modesto (União Brasil) no dia 22, a prefeita Adriane Lopes (PP) no dia 24 e a deputada federal Camila Jara (PT-MS) no dia 26 de abril.

Essa ordem de entrevistas foi definida em reunião com representantes dos partidos, quando foi realizado sorteio. Na entrevista realizada ontem, André Puccinelli falou sobre a motivação de se candidatar novamente a prefeito de Campo Grande. 

Durante a sabatina com os jornalistas dos dois veículos de comunicação, o ex-governador respondeu a questões relacionadas aos processos judiciais aos quais responde e rebateu as informações sobre os índices de rejeição popular.

Conforme ele, ao reduzir o percentual de rejeição, o saldo de intenções de votos fica positivo, ficando à frente dos demais pré-candidatos.

André Puccinelli também falou sobre a questão da saúde pública, reforçando que a construção de um hospital municipal não resolverá o problema.

“O que falta para a saúde pública de Campo Grande são médicos e medicamentos”, reforçou.

Outro assunto abordado pelo pré-candidato foi o transporte coletivo urbano na Capital. Ele garantiu que tarifa zero é conversa para boi dormir e que a solução para melhorar a qualidade do serviço é uma fiscalização mais rígida por parte do Executivo municipal.

ASSINE O CORREIO DO ESTADO

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).