Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

VISITA OFICIAL

Em Corumbá, Bolsonaro elogia Tereza Cristina e diz que radar ajudará PF contra tráfico

Governador lembrou do “capacete de guavira” e agradeceu apoio no Pantanal
18/08/2020 11:36 - Adriel Mattos


O presidente da República, Jair Bolsonaro, destacou o desempenho da ministra da Agricultura, Tereza Cristina (DEM), durante evento de inauguração de um radar em Corumbá, na manhã desta segunda-feira (18).

“O agronegócio é a locomotiva da nossa economia. Temos a melhor ministra que Mato Grosso do Sul nos deu e batemos recordes de exportação”, disse durante discurso.

O sistema de radar da Força Aérea Brasileira (FAB), que fecha o cerco a traficantes de droga que usam pequenos aviões, deve reforçar outras corporações.

“Isso ajudará a PF [Polícia Federal] e a PRF [Polícia Rodoviária Federal] a continuar batendo recordes de apreensões de armamentos”, afirmou o presidente.

 
 

DISCURSO

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) discursou antes e agradeceu o apoio do Ministério da Defesa no combate às queimadas no Pantanal.

“Vivenciamos a maior seca dos últimos 30 anos. E o Ministério da Defesa foi nosso parceiro para atacar os focos de incêndios”, lembrou.

Ele elogiou o novo sistema de radar e citou as apreensões recorde de drogas pelas forças de segurança do Estado.

“Quem protege as fronteiras, protege o Brasil. Assim continuaremos batendo recordes. 467 toneladas de drogas foram apreendidas este ano”, disse.

Ao passar a palavra para o presidente, o governador recebeu elogios após lembrar uma história dos tempos de serviço do então tenente em Nioaque.

“O capacete de guavira era a menor das punições entre os colegas. Mas não vou dar ao governador. Foi meu ex-colega de Câmara [dos Deputados], de quem tenho gratas recordações”, afirmou Bolsonaro.

 
 

Felpuda


Comentários maldosos nos meios políticos dão conta que duas figurinhas que se rebelaram contra os próprios colegas poderão ficar no sereno político e, de forma indireta, serem personagens das próprias manifestações.

Um deles defendeu a redução do número de vereadores, e o outro disse ter vergonha de exercer o cargo. Agora enfrentam altos e baixos na campanha eleitoral.