Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

OPERAÇÃO MAPA DA MINA

Ex-governador do RJ revela que Lula pediu R$ 30 milhões para Lulinha

Filho do ex-presidente e seus sócios teriam dito a Sérgio Cabral que não queria passar por licitação
11/03/2020 13:46 - Da Redação


 

O ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, enviou um termo de autodeclaração à Polícia Federal (PF), em Curitiba (PR), em que afirma que o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pediu que Cabral favorecesse a empresa do filho, o empresário Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, em contratos do governo fluminense. A informação foi revelada com exclusividade pela revista Crusoé.

No termo, o ex-governador afirma que, como contrapartida, o então presidente ofereceu parcerias da União com o governo do Rio. Após o pedido, Lulinha e seus sócios Fernando Kalil e Jonas Suassuna foram até o Palácio Guanabara para uma reunião.

Na conversa, o governo deixou claro que não queria participar de uma licitação para fornecimento de serviços de Tecnologia da Informação (TI) por meio da Oi, que já tinha contratos com o governo estadual.  

Assim, a Secretaria de Estado de Educação do Rio contratou uma empresa do grupo Oi para desenvolver um projeto contra evasão escolar. Essa subsidiária subcontratou a Gol Mobile, empresa ligada a Lulinha. A Gol Mobile era controlada por Jonas Suassuna, um dos proprietários formais do sítio de Atibaia (SP).

A PF queria explicações do ex-governador, no âmbito da Operação Mapa da Mina, sobre os R$ 132 milhões repassados pela Oi às empresas de Lulinha e seus sócios. A investigação encontrou e-mails que ligavam Lulinha a Cabral.

 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.