Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

OPERAÇÃO

Federais cumprem mandados ligados ao inquérito das fake news

Empresário, blogueiro e políticos são alguns dos alvos das ordens de busca e apreensão
27/05/2020 07:41 - Ricardo Campos Jr


Policiais federais cumprem 29 mandados de busca e apreensão nesta quarta-feira (27) em seis estados: Distrito Federal, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina. As ordens estão relacionadas ao inquérito 4.781 do Supremo Tribunal Federal (STF), que apura a disseminação de fake news e ameaças aos ministros da Corte.

Foram vasculhadas casas, escritórios e locais relacionados a 17 personalidades políticas, influencers e empresários. Segundo informações do Portal G1, estes são os alvos das ordens conhecidos até o momento:

  • Luciano Hang, empresário dono da Havan (SC)
  • Roberto Jefferson, ex-deputado federal (RJ)
  • Allan dos Santos, blogueiro (DF)
  • Sara Winter, blogueira (DF)
  • Winston Lima, blogueiro (DF)
  • Edgard Corona, empresário (SP)
  • Edson Pires Salomão (SP)
  • Enzo Leonardo Suzi (SP)
  • Marcos Bellizia (SP)
  • Otavio Fakhoury (SP)
  • Rafael Moreno (SP)
  • Rodrigo Barbosa Ribeiro (SP)
  • Paulo Gonçalves Bezerra (RJ)
  • Reynaldo Bianchi Júnior (RJ)
  • Bernardo Kuster, blogueiro (PR)
  • Eduardo Fabris Portella (PR)
  • Marcelo Stachin (MT)

O relator das investigações é o ministro Alexandre de Moraes.  As apurações começaram em março de 2019 por ordem do presidente do STF, Dias Toffoli. O resultado deveria ter saído em janeiro, mas o prazo foi estendido por seis meses.

 
 

Felpuda


Pré-candidato a prefeito de Campo Grande divulgou vídeo em que político conhecido Brasil afora anuncia apoio às suas pretensões. O problema é que o tal líder já andou sendo denunciado por mal feitos em sua trajetória, sem contar que o pai do dito-cujo teve de renunciar ao cargo de ministro por ter ligações nebulosas com empresa de agrotóxico. Depois do advento da internet, essa coisa de o povo ter memória curta hoje não passa de coisa “da era pré-histórica”.