Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Gerson Claro é nome preferido e pode ser anunciado como líder

O deputado estadual já teria recebido a benção do governador para representá-lo na Casa de Leis
11/02/2020 08:00 - Izabela Jornada, Yarima Mecchi


 

O deputado estadual Gerson Claro (PP) é o nome favorito a subtituição do seu colega José Carlos Barbosa (DEM), o Barosinha para ser líder do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) na Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul (ALEMS).  A expectativa é que o anuncio seja feito durante a sessão de hoje.  

Conforme informações de bastidores, a decisão foi tomada no final da semana passada, porém como Azambuja ainda não entregou o oficializou na Casa de Leis, o parlamentar tem receio de anunciar sua escolha como líder e o chefe do Executivo mudar de opinião.  

A alternância na liderança de governo é resultado da decisão de Barbosinha em pretende concorrer à prefeitura de Dourados. O parlamentar não teria como conciliar agenda de deputado, líder do governo e pré-candidato. No começo de janeiro ele adiantou ao Correio do Estado que sua saída já tinha sido acordada com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) quando assumiu a função.  

Barbosinha explicou ao Correio do Estado que o líder deve ter boa relação com os demais integrantes da Casa e com a administração estadual para que possa colaborar com a aprovação de projetos importantes do Executivo.  

Gerson Claro é considerado um dos preferidos para suceder Barbosinha entre os deputados, o nome do tucano Rinaldo Modesto também foi cotado. Modesto foi líder durante o primeiro mandato de Azambuja, procurado pelo Correio do Estado ele disse que outros parlamentares poderiam ocupar o cargo de confiança, citando o nome de Claro e de Londres Machado (PSD).  

O presidente da Casa, Paulo Corrêa (PSDB), disse em entrevista coletiva que os deputados que pretendem concorrer as eleições de outubro não devem ocupar funções de presidência nas comissões da ALEMS e que os pré-candidatos já estavam se organizando.  

Além da mudança na liderança do Executivo, as presidências das comissões também devem ser alteradas. A mais esperada é da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ), antes ocupada pelo deputado Lídio Lopes (Patriotas).  

Lídio assumiu ontem a vice-presidência da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (Unale) durante evento em Brasília, ontem.

Aliados  

A escolha de Gerson Claro como líder do governo estreita ainda mais a aliança entre PP e PSDB. Os partidos estão unidos em Costa Rica com a filiação do

Cleverson Alves dos Santos, o Delegado Cleverson, ao PP que tem apoio do PSDB e do PSD.  

Além de Costa Rica os partidos devem se unir em Sidrolândia, o ex-deputado Enelvo Felini, tenta viabilizar sua candidatura para novamente assumir o Executivo da cidade e os tucanos buscam apoio do PP para concorrer.  

Um dos nomes que querem disputar a prefeitura da cidade é o ex-governador de Mato Grosso do Sul, José Orcírio Miranda dos Santos - Zeca do PT.

Convite

No ano passado o partido chegou a convidar a deputada federal Rose Modesto (PSDB) para mudar de agramição e ser pré-candidata da Prefeitura Municipal de Campo Grande, porém a parlamentar precisa de autorização da Executiva tucana para deixar o partido sem perder o mandato.  

Na época o presidente da agramiação tucana, Sérgio de Paula, declarou que não autoriza ninguém deixar o partido e que as solitações precisam passar pelo crivo de toda a executiva estadual.  

A ida de Rose para o PP também foi cogitada, nos bastidores, como uma forma dos partidos se unirem para vencer o prefeito Marcos Trad na tentativa de reeleição.  Mas a deputada declarou que não pretende deixar o PSDB.

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.