Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PROTESTOS

Governo venezuelano cria comando antigolpe

Governo venezuelano cria comando antigolpe
21/02/2014 16:50 - Agência Brasil


De acordo com balanço divulgado hoje (21), pelo menos oito pessoas morreram e 137 ficaram feridas nos protestos das duas últimas semanas na Venezuela. Com a continuidade das manifestações, o governo criou um comando nacional antigolpe que será liderado pelo presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello. A função é detectar planos e conspirações, supostamente organizados pelos partidos opositores no país.

"Estamos enfrentando um golpe de Estado na Venezuela, mas a Revolução Bolivariana vai triunfar pelo caminho da Constituição, das leis, e haverá paz na Venezuela”, disse Maduro.

Uma das medidas do governo é militarizar áreas com maiores conflitos. A primeira região foi o estado de Táchira, onde foi decretado estado de exceção.

Os confrontos continuam e jovens manifestantes reagem à presença do Exército com barricadas, bloqueio de vias e queima de pneus e lixo. Até tanques do Exército foram atingidos por coquetéis-molotovs. O governo ameaça estender o estado de exceção a outras regiões, conforme julgue necessário.

A oposição convocou para este sábado mais uma manifestação, exigindo o desarmamento de grupos paramilitares, supostamente apoiadores do governo. Do lado do governo, haverá uma marcha de mulheres chavistas.

Da prisão de Ramo Verde, onde está detido, o líder opositor Leopoldo López envia mensagens aos seus seguidores por meio da esposa, Lilian Tintori. Ontem (20), ela divulgou trechos de uma carta enviado por López aos seus seguidores no Twitter: “Estou bem, eu peço a vocês que não desistam, eu não desistirei”.

O governo de Nicolás Maduro informou que, em breve, levará outros líderes opositores à prisão e que enfrentará, na Justiça, "os que conspiram contra a democracia".

Felpuda


Alguns pré-candidatos que estão de olho em uma cadeira de vereador vêm apostando apenas nas redes sociais, esperançosos na conquistados votos suficientes para se elegerem. A maioria pede apoio financeiro para continuar mantendo suas respectivas páginas, frisando que não aceita dinheiro público ou de político, fazendo com que alguns se lembrem daquela famosa marchinha de carnaval: “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí...”. Como diria vovó: “Essa gente perdeu o rumo e o prumo”.