Clique aqui e veja as últimas notícias!

ADVOCACIA

Mansour Karmouche tenta viabilizar candidatura para a presidência da OAB nacional

Karmouche quer ser o principal nome de oposição ao atual presidente, Felipe Santa Cruz
24/02/2021 10:00 - Flávio Veras


O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso do Sul (OAB-MS), Mansour Elias Karmouche, afirmou que pretende ingressar no Conselho Federal da entidade e pleitear a vaga de presidente. Segundo Karmouche, a medida tem como objetivo opôr-se ao atual presidente da OAB nacional, Felipe Santa Cruz, que, segundo ele, “tem partidarizado as ações do órgão”.  

O Correio do Estado apurou que Karmouche já conta com o apoio de, pelo menos, seis seccionais da OAB. Para pleitear a vaga de presidente e suceder Santa Cruz, ele precisaria da adesão de pelo menos sete estados. As eleições estão marcadas para novembro.  

Karmouche pretende montar uma chapa que vai concorrer ao conselho e que lhe dará, além do poder de votar nas eleições nacionais, o direito a concorrer à presidência. Sobre a possível eleição a presidente nacional, ele avaliou que tem boas chances.  

“Existe um grupo, composto por três conselheiros, que coaduna com o meu pensamento sobre a condução da entidade. Portanto, tenho boa expectativa de vencer o pleito, caso tudo caminhe dentro do planejado. Na presidência, minha primeira pauta será reorganizar o sistema eletivo da OAB, para que possamos ser uma organização mais democrática, na qual se respeita a voz de todos, e não apenas de uma pessoa”, concluiu.  

Ainda de acordo com Karmouche, o atual mandatário tem se contaminado pela politização do Judiciário e avançado em pautas que não competem às suas atribuições. Para ele, Santa Cruz tem expressado opiniões ideológicas próprias usando a estampa da entidade.

Acompanhe as últimas notícias

“Ele [Felipe Santa Cruz] não pode avançar nessas questões, pois a Ordem tem como foco preservar o Estado Democrático de Direito, e não questionar possíveis erros praticados pelo Judiciário, pois isso favoreceria um lado político que para ele seria caro. Portanto, ela [OAB] não deve se posicionar contra ou a favor de um governo por ele ser de esquerda ou de direita, mas, sim, por estar violando a ordem jurídica ou a Constituição, por exemplo”, opôs-se Karmouche.  

A crítica tem como base uma petição da OAB nacional encaminhada ao ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), que pediu acesso a todas as mensagens trocadas por autoridades públicas no âmbito da Operação Spoofing que digam respeito às prerrogativas de advogados.  

 

LAVA JATO

O objetivo é avaliar se tais direitos foram violados pela força-tarefa da Lava Jato no decorrer das investigações. O material inclui trocas de mensagens do então juiz Sergio Moro com integrantes da força-tarefa em Curitiba, que estavam em posse de hackers suspeitos de invadir celulares.

Tanto Moro como os procuradores não reconhecem a autenticidade das mensagens. “Nós devemos manter nossa neutralidade, e não tomar posição por alguém que se sentiu injustiçado, pois existe um mecanismo judicial que é o de recorrer caso o possível prejudicado ache a decisão arbitrária. Ele teceu diversas críticas ao ex-juiz Moro e aos procuradores, não para defender a ordem jurídica, mas, sim, para defender sua posição ideológica”, avaliou.

Outra crítica feita por Karmouche ao atual presidente da OAB é o fato de ele, “ao invés de defender sua classe, emitir opiniões, e às vezes até xingamentos de baixo calão, contra seus pares”. “Santa Cruz deveria defender o direito dos advogados, e não ter uma posição de oposição aos seus colegas. Outro absurdo é ele ser contra o porte de armas para os advogados, já que juízes e promotores – que integram o sistema judiciário – têm essa prerrogativa. Ou seja, ele vai contra as nossas demandas para defender a sua posição político-partidária, não respeitando a vontade da maioria”, explicou.