Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASÍLIA

Líder da minoria no Senado, Randolfe representa contra Bolsonaro na PGR

No domingo, presidente afirmou que "acabou a época da patifaria"
21/04/2020 05:00 - Estadão Conteúdo


 

O líder da Minoria no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), protocolou na segunda-feira, 20, uma representação contra o presidente Jair Bolsonaro na Procuradoria-Geral da República (PGR).

Randolfe pede que o Ministério Público Federal abra investigação quanto à conduta do presidente pela sua participação no Domingo em ato pró-ditadura sobre dois aspectos: manifestação antidemocrática e ato atentatório à saúde pública.

"Ao comparecer ao movimento contra o Congresso e a favor de uma possível intervenção militar no Brasil no dia 19/4/2020, o Presidente Jair Bolsonaro promoveu verdadeiro desrespeito à Constituição Federal", diz o senador no documento.

No domingo, em cima da caçamba de uma caminhonete, diante do quartel-general do Exército e se dirigindo a uma aglomeração de apoiadores pró-intervenção militar no Brasil, Bolsonaro afirmou que "acabou a época da patifaria" e gritou palavras de ordem como "agora é o povo no poder" e "não queremos negociar nada".

Em relação à questão sanitária, Randolfe fala sobre o exemplo do presidente. "Há preocupante risco às políticas públicas de distanciamento social quando o Presidente da República dá um péssimo exemplo, servindo de argumento na defesa de atos irracionais, além de atuar minimizando a crise, brincando com as vidas da população, terceirizando responsabilidades, forçando uma divisão da sociedade com base em uma falsa dicotomia entre saúde e economia", diz Randolfe no documento.

Felpuda


Mesmo sem ter, até onde se sabe, combinado com o eleitor, candidato a prefeito começou a apresentar nomes do seu ainda hipotético secretariado, pois parece estar convicto de que conseguirá vencer a disputa.

Os adversários dizem por aí que ele está muito distante de “ser um Jair Bolsonaro”, que, ainda na campanha eleitoral para presidente da República, já falava em Paulo Guedes para ser seu ministro de Economia. Como sonhar é permitido