Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

LIVRO SOBRE COMBATE À PANDEMIA

"Primeiro ele negou. Depois ficou com raiva do médico. Depois partiu para o milagre (Hidroxicloroquina)", diz Mandetta

Ex-ministro da Saúde ficou marcado por contrariar as crenças do Presidente Jair Bolsonaro sobre a pandemia
25/09/2020 15:30 - Estadão Conteúdo


Dos problemas enfrentados no Ministério da Saúde durante a pandemia do novo coronavírus, o ex-ministro Henrique Mandetta aponta o que, na sua opinião, foi o principal: a postura negacionista do presidente Jair Bolsonaro. 

Segundo Mandetta, se o presidente adotasse protocolos estabelecidos pela pasta para preparar o sistema público de Saúde, o Brasil não estaria entre os países com o maior número de vítimas da doença.

"Poderia ter sido diferente, para melhor", disse Mandetta, que lança nesta sexta-feira, 24, o livro Um paciente chamado Brasil, no qual relata os últimos 87 dias de sua gestão. 

No período, passou a ser a principal voz na defesa do isolamento social como forma de atenuar efeitos da pandemia, ao contrário do que pregava o presidente.

O livro, segundo ele, foi escrito na quarentena de seis meses imposta a ministros que deixam o governo. 

Ao analisar as decisões políticas, faz mea-culpa e critica a Organização Mundial de Saúde (OMS) por relutar em classificar a covid-19 como emergência sanitária mundial.

O foco principal das críticas, no entanto, é Bolsonaro, descrito como alguém em negação diante do agravamento da doença. 

"Primeiro ele negou a gravidade da covid-19, falando que era só uma ‘gripezinha’. Depois ficou com raiva do médico, ou seja, de mim. 

Depois partiu para o milagre, que é acreditar na cloroquina", escreve.

Mandetta relata que, antes mesmo do primeiro caso no País, tentou por diversas vezes apresentar dados, projeções e medidas de prevenção a serem tomadas. 

Mas, segundo ele, o presidente "sempre arranjava um jeito de não participar". Nas reuniões ministeriais, afirma, não tinha espaço para falar.

Segundo o ex-ministro, Bolsonaro só viu os dados em uma ocasião, em 28 de março - o País registrava 92 óbitos por covid-19. Mandetta diz que apresentou três projeções, de 30 mil a 180 mil mortes por covid-19 no País.

"Depois de eu ter ficado por uma hora e meia oferecendo todos os elementos que provavam a gravidade do problema, ele mostrou que não estava nem um pouco convencido". 

Naquele dia, Bolsonaro disse: "Infelizmente, algumas mortes terão. Paciência". No dia seguinte, o presidente foi a Taguatinga e provocou aglomeração ao circular pelo comércio local.

Medidas

Mandetta diz que, naquela reunião, os demais ministros já estavam convencidos de que o presidente não deveria seguir pelo caminho da negação. 

Mas, como exemplo de que o governo negligenciou medidas de prevenção, relata que o chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, participou da reunião 10 dias após ser diagnosticado com covid-19 - ignorando o protocolo de 14 dias de quarentena.

O Brasil registrou ontem mais de 139 mil óbitos por covid - o que aproxima o País da estimativa mais pessimista feita pela pasta da Saúde em março.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


 

 
 

Felpuda


Conversas muito, mas muito reservadas mesmo tratam de possível mudança, e não pelo desejo do “inquilino”.

Por enquanto, e em razão de ser um assunto melindroso, os colóquios estão sendo com base em metáforas.

Até quando, não se sabe, pois o que hoje é considerado tabu poderá se tornar assunto em rodinhas de conversas.

Como dizia o célebre Barão de Itararé: “Há mais coisas no ar, além dos aviões de carreira”. Só!