Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

VOTAÇÕES

Presidente da Câmara diz que foco deve ser teto de gastos e reforma tributária

Congresso precisa definir prioridades, para não “embolar” todas as pautas, avalia Maia
19/08/2020 01:00 - Agência Brasil


O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), alertou na terça-feira (18) que, em função das eleições municipais deste ano, o Congresso Nacional precisa definir quais são suas prioridades, de forma a evitar que, ao avançar sobre muitos temas, acabe por “embolar” todos os temas. 

Na avaliação do deputado, o foco tem de estar no teto de gastos e na reforma tributária.

Ao ser perguntado, durante a palestra online Brasil em Reforma, da 21ª Conferência Anual Santander, sobre as expectativas com relação à privatização de estatais, em especial a da Eletrobras, o presidente da Câmara disse que as duas casas legislativas não têm conseguido chegar a um acordo sobre o assunto, e que “não fará muita diferença” privatizar a empresa neste ou no próximo ano.

“Precisamos decidir quais são as prioridades porque teremos eleições municipais. Avançar em muitos temas pode acabar embolando todos os temas. Eu ficaria com a urgência do teto de gastos pelo Senado, que é o que está combinado. E eu trabalharia, junto com o governo, com o Senado e com a Câmara, na reforma tributária. Poderíamos trabalhar juntos também para retomar o debate da reforma administrativa”, disse Maia.

Segundo ele, as três propostas da reforma tributária que tramitam no Congresso Nacional são convergentes. 

“Elas têm o mesmo objetivo. Claro que a emenda constitucional tem impacto maior porque amplia os impostos de municípios e de estados, organizando melhor os impostos sobre bens e serviços. O que precisamos agora é construir caminhos para que possamos aprovar ainda este ano pelo menos na Câmara a proposta”, disse. 

Maia manifestou preocupação com a competitividade do setor privado que, segundo ele, terá papel importante para a recuperação do país e da economia após a pandemia.

REFORMA ADMINISTRATIVA

Perguntado sobre se há ou não disposição entre seus pares para avançar no debate da reforma administrativa, Maia disse que a qualidade do gasto público é decisiva. 

“Não tem problema tributar se os recursos entram no governo e são alocados em políticas que melhoram a qualidade de vida do cidadão e na economia. Mas a gente precisa entender que o Estado foi construído olhando os lobbies tanto do setor público como do privado. E esses interesses acabaram prevalecendo em relação aos interesses da base da sociedade”.

Nesse sentido, o presidente da Câmara defendeu que os debates sobre o tema avancem, até pela compreensão que, segundo ele, o Parlamento já tem de que a melhoria da gestão pública tem um peso importante também para a valorização e o respeito à própria política.

“Não estamos discutindo aqui a redução do tamanho do Estado, até porque no curto prazo não parece uma coisa viável, mas a qualidade do gasto público, o que é fundamental. Espero que o governo possa compreender que essa não é uma matéria que vá gerar desgaste. Ao contrário, mais de 70% da população espera uma reforma onde a gente olhe de fato a qualidade do serviço público na ponta”, disse ao defender regras onde mérito, valorização e qualidade do serviço público estejam dentro do ambiente do servidor público.

“Hoje, sem dúvida nenhuma, não há um estímulo à progressão. Acho que as regras atuais não beneficiam um trabalho de melhoria da qualidade do serviço público. Esse debate é fundamental. O dinheiro que entra no serviço público precisa de um olhar, não igual ao do setor privado, mas de um olhar de qualidade e de produtividade que, infelizmente, hoje não existe no Estado brasileiro”, complementou.

 
 

Felpuda


Esforços vêm sendo feitos por certos candidatos derrotados na tentativa de conseguir emplacar em cargos públicos comissionados alguns ex-integrantes das equipes de trabalho da campanha eleitoral.

A preocupação não seria, na realidade, com situação de dificuldades que essas pessoas enfrentariam a partir de agora, mas, sim, para livrarem-se de pagar pendências trabalhistas referentes ao período da disputa. Tem cada uma!