Clique aqui e veja as últimas notícias!

GESTÃO DA PANDEMIA

Mandetta diz que Ministério da Saúde passa por intervenção militar

Ex-ministro critica falta de experiência do comandante da Pasta e diz que eleições causaram aumento do contágio
11/12/2020 10:00 - Flávio Veras


Passados sete meses de sua exoneração do Ministério da Saúde, o ex-ministro, ex-deputado federal e médico campo-grandense Luiz Henrique Mandetta (DEM) é categórico ao afirmar que a Pasta que ocupou até abril está sob uma “intervenção militar”.

Ao comentar a segunda onda dos casos de Covid-19, o ex-ministro também não titubeia em afirmar que a falta de expertise em saúde pública está refletindo em aumento de contágios, o que, infelizmente, encaminha-se para uma nova onda de mortes pela doença.

Acompanhe as últimas notícias

Segundo Mandetta, os novos casos estão relacionados com as eleições municipais, diferentemente do que o atual ministro, general Eduardo Pazuello, afirmou na semana passada.  

Além disso, Mandetta afirmou que as festas de fim de ano, as férias de Verão e os feriados de Carnaval poderão ser catastróficos para o Sistema Único de Saúde (SUS), provocando o colapso até agora evitado.

Sobre o que denominou de “intervenção militar no Ministério”, Mandetta explicou que em uma guerra não se coloca um médico para tomar decisões estratégicas, mas, sim, um general. Ou seja, a Saúde precisa ter pessoas que entendam da área.

“O governo não tem Ministério da Saúde, pois ele atravessa uma gestão intervencionista do Exército Brasileiro. Nessa guerra contra a pandemia, não podemos colocar no fronte gente que nunca comandou a coordenação de combate a epidemias ou pandemias. Dentro do órgão temos um corpo técnico qualificado, e foi isso que tentei fazer em minha gestão, utilizar essas pessoas capacitadas. Porém, esses profissionais gabaritados ou foram tirados da frente de batalha ou convidados a se retirar”, lamentou o ex-ministro. 

Eleições

Para Mandetta, o atual aumento do número de contágios, principalmente em Campo Grande, deve-se às eleições municipais. Mesmo com a pandemia, os poderes constituídos preferiram realizar o pleito, e a consequência é esse aumento da curva de contágios.