Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PANDEMIA

Mandetta avisa a interlocutores que fica no cargo e só sairá se for demitido

Ministro não esconde, porém, seu descontentamento com toda a polêmica criada pelo presidente
25/03/2020 12:29 - Natalia Yahn


 

Mesmo após a repercussão negativa do pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro em cadeia de rádio e televisão ontem, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta - que é de Mato Grosso do Sul - afirmou a interlocutores que deixará o cargo se for demitido. A reportagem apurou que o discurso polêmico de Bolsonaro foi elaborado com a ajuda do filho número dois, o vereador Carlos Bolsonaro.

A intenção dele e dos outros irmãos - um senador e um deputado federal - é forçar que Mandetta peça demissão. Mas de acordo com o Blog do Vicente (jornalista Vicente Nunes do Correio Braziliense) o ministro afirma que continuará no cargo.

Mandetta não esconde, porém, seu descontentamento com toda a polêmica criada pelo presidente, pois dificulta o trabalho do ministério no momento mais crucial para o combate ao novo coronavírus. A partir de agora, os casos de contaminação vão aumentar muito.

A ala mais radical do Palácio do Planalto, liderada pelo filho 02 do presidente, o vereador Carlos Bolsonaro, está disseminando entre apoiadores que o sucessor de Mandetta já está escolhido: será Antonio Barra Torres, atual presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Torres faz parte da ala negacionista do governo.  Ele é médico e contra-almirante da Marinha. Assim como Bolsonaro, é contra o confinamento de toda a população como forma de reduzir a disseminação da Covid-19. Ele esteve com Bolsonaro na fatídica manifestação de 15 de março, em que o presidente cumprimentou apoiadores, mesmo estando em quarentena por suspeitas de estar com o coronavírus.

 
VEJA TAMBÉM

Felpuda


As pré-candidaturas bizarras estão se espalhando nas redes sociais, nos perfis de quem acredita que esse tipo de “campanha eleitoral” poderá resultar em votos e até levar à conquista de uma vaga na Câmara Municipal de Campo Grande. Se antes isso era visto apenas no horário eleitoral na TV, agora está se espalhado como erva daninha nas redes. Como diria vovó: “Esse povo ainda se acha!” Afe!