Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DEMISSÃO

Mandetta diz que se ‘algo acontecer’ vai voltar para Campo Grande

Ministro alega que não se arrepende de entrevista ao Fantástico
16/04/2020 09:35 - Bruna Aquino


Mesmo já confirmando que vai deixar o Ministério da Saúde em breve, assim como o secretário nacional de Vigilância em Saúde, epidemiologista Wandeson de Oliveira, o atual ministro Luiz Henrique Mandetta disse em entrevista que se algo acontecer nos próximos dias, ele vai voltar para Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, cidade onde Mandetta nasceu e cresceu. 

Havia rumores que o ministro após deixar a pasta seguiria para Goiás, para trabalhar com o governador Ronaldo Caiado, mas a afirmação foi negada pelo chefe da pasta. “Se algo acontecer, voltarei para Campo Grande e ficarei uns dias com vocês”, disse Mandetta, no domingo, depois da entrevista ao Fantástico. 

O ministro afirmou aos parentes por mensagens que estava bem e reforçou que eles se mantenham em casa para os cuidados de prevenção ao novo coronavírus. “Fiquem bem, está tudo bem comigo”, afirmou Mandetta.

UNIÃO 
Mesmo com as repercussões da saída de Mandetta, ontem o clima de união entre ele e os dois principais técnicos do ministério, João Gabbardo dos Reis (secretário-executivo) e Wanderson Kleber de Oliveira (secretário de Vigilância em Saúde) foi demonstrado durante coletiva de imprensa.  

Mais cedo, Wanderson chegou a pedir demissão primeiro do cargo, mas Mandetta recusou o pedido e disse que sairia com a equipe. 

O Ministro que já foi ex-secretário municipal de Saúde de Campo Grande, deixou bem claro que a estratégia montada pela equipe formada por especialistas, com base em dados e informações confiáveis, será seguida até o último dia em que estará à frente do Ministério da Saúde.

 

Felpuda


Nos bastidores, conversas, ou melhor, quase sussurros, dão conta de que compromisso assumido teria prazo de validade se acontecer a vitória de aliado.

A partir de então, o papo passaria a ser bem, mas bem diferente mesmo, pois, com acordo cumprido, novos objetivos passariam a ser fonte dos desejos, e sem nenhuma moeda de troca.

No caso, não haveria mais sequer um fio de bigode. Tipo, cada um na sua.