Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

COVID-19

Mandetta não aceita demissão e disse que sai do ministério junto com a equipe

Ministro da Saúde afirmou em coletiva que secretário de Vigilância em Saúde continua
15/04/2020 16:28 - Yarima Mecchi


 

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS), começou a coletiva da tarde de hoje (15) informando que como de costume o ato seria realizado com ele, o secretário nacional de Vigilância em Saúde, epidemiologista Wandeson de Oliveira, e o secretário-executivo da pasta, João Gabbardo. O ministro afirmou que não aceitou o pedido de demissão feito nesta manhã por Oliveira.  

Mandetta declarou, assim como no dia 6 de abril quando foi cogitada a sua exoneração através do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que a equipe entrou junta na pasta e que vai sair junta.  "Entramos no ministério juntos, estamos no ministério juntos e vamos sair juntos", disse Mandetta. Sobre a carta enviada por Wanderson Oliveira, o ministro disse: "falei que não aceito, Wanderson continua".

O ministro ressaltou que tiveram muitos ruídos durante o dia por conta do pedido de demissão feito pelo secretário da Vigilância. “Teve muito ruído por causa do Wanderson. O Wanderson mandou para o setor dele que ia sair, aquilo virou, chegou para mim e eu falei que não aceito. O Wanderson continua, está aqui e acabou esse assunto. Vamos trabalhar juntos até o momento de sairmos juntos do Ministério da Saúde”, ressaltou Mandetta.  

Conforme a imprensa nacional, Wanderson é apontado como um dos principais formuladores da estratégia do Ministério da Saúde para enfrentar a Covid-19 e vinha se queixando a colegas sobre o discurso do presidente Jair Bolsonaro contrário ao isolamento social mais amplo.

 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.