Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASÍLIA

Nelson Teich pede demissão do Ministério da Saúde

General Eduardo Pazuello, atual secretário-executivo, é o mais cotado para assumir o comando da pasta
15/05/2020 11:10 - Da Redação


O ministro da Saúde, Nelson Teich, pediu demissão do cargo nesta sexta-feira (15). Segundo a CNN Brasil, o secretário-executivo da pasta, Eduardo Pazuello, assume o comando interinamente e pode ser efetivado.

Teich se reuniu com Bolsonaro em encontro fora da agenda oficial. A reunião durou apenas 15 minutos. “É o dia mais triste da minha vida”, disse após a reunião a funcionários do ministério. “Não vou manchar a minha história por causa da cloroquina”.

O presidente defende mudanças no protocolo de combate à pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Bolsonaro quer ampliar o uso da cloroquina no tratamento de pacientes, o que o agora ex-ministro discorda.

A recomendação atual é de ministrar esse medicamento apenas a pessoas que estão em estado grave, e Bolsonaro deseja estender para todos. Essa recomendação estava em protocolo determinado pelo ex-ministro Luiz Henrique Mandetta.

Para o presidente, é direito do paciente decidir sobre o uso do medicamento. O Conselho Federal de Medicina (CFM) autorizou a prescrição da cloroquina, mas com ressalvas sobre os riscos.

“O protocolo deve ser mudado hoje porque o Conselho Federal de Medicina diz que pode usar desde o começo”, afirmou na manhã de hoje durante entrevista coletiva na saída do Palácio da Alvorada. “O médico na ponta da linha é escravo do protocolo. Se ele usa algo diferente do que está ali e o paciente tem alguma complicação, ele pode ser processado”, justificou.

 
 

Felpuda


Questão de família acabou descambando para o lado da política, e a confusão já é do conhecimento público. 

A queda de braço tem como foco a troca de apoio político que, de um, foi para outro. Sem contar as ameaças de denúncia da figura central do imbróglio. 

A continuar assim, há quem diga que nenhum dos dois candidatos a vereador envolvidos na história conseguirá ser eleito. Barraco é pouco!