Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASÍLIA

Nelson Teich pede demissão do Ministério da Saúde

General Eduardo Pazuello, atual secretário-executivo, é o mais cotado para assumir o comando da pasta
15/05/2020 11:10 - Da Redação


O ministro da Saúde, Nelson Teich, pediu demissão do cargo nesta sexta-feira (15). Segundo a CNN Brasil, o secretário-executivo da pasta, Eduardo Pazuello, assume o comando interinamente e pode ser efetivado.

Teich se reuniu com Bolsonaro em encontro fora da agenda oficial. A reunião durou apenas 15 minutos. “É o dia mais triste da minha vida”, disse após a reunião a funcionários do ministério. “Não vou manchar a minha história por causa da cloroquina”.

O presidente defende mudanças no protocolo de combate à pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Bolsonaro quer ampliar o uso da cloroquina no tratamento de pacientes, o que o agora ex-ministro discorda.

A recomendação atual é de ministrar esse medicamento apenas a pessoas que estão em estado grave, e Bolsonaro deseja estender para todos. Essa recomendação estava em protocolo determinado pelo ex-ministro Luiz Henrique Mandetta.

Para o presidente, é direito do paciente decidir sobre o uso do medicamento. O Conselho Federal de Medicina (CFM) autorizou a prescrição da cloroquina, mas com ressalvas sobre os riscos.

“O protocolo deve ser mudado hoje porque o Conselho Federal de Medicina diz que pode usar desde o começo”, afirmou na manhã de hoje durante entrevista coletiva na saída do Palácio da Alvorada. “O médico na ponta da linha é escravo do protocolo. Se ele usa algo diferente do que está ali e o paciente tem alguma complicação, ele pode ser processado”, justificou.

 
 

Felpuda


Devidamente identificadas as figurinhas que agiram “na sombra” em clara tentativa de prejudicar cabeça coroada. Neste segundo semestre, os primeiros sinais começarão a ser notados como reação e “troco” de quem foi atingido. Nos bastidores, o que se ouve é que haverá choro e ranger de dentes e que quem pretendia avançar encontrará tantos, mas tantos empecilhos, que recuar será sua única opção na jornada política. Como diz o dito popular: “Quem muito quer...”.