Política

SARNEY

A+ A-

Palocci fez o 'todos já fizeram' ao deixar funções

Palocci fez o 'todos já fizeram' ao deixar funções

Continue lendo...

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), saiu em defesa do ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, nesta quarta-feira (18) ao afirmar que as atividades empresariais dele não caracterizariam irregularidades. Segundo o jornal "Folha de S.Paulo", Palocci ampliou seu patrimônio em 20 vezes com atividades de consultoria. Para Sarney, o ministro fez o que “todos já fizeram” quando deixaram funções públicas no governo.

"Não há problema nenhum em ter exercido essas atividades [de consultorias]. O ministro Palocci é um homem competente e não está fazendo nada mais do que os outros todos já fizeram quando deixaram funções públicas. A função pública desaparece, mas ele não deixa de ser o grande conhecedor da sua área”, afirmou Sarney.

'Experiência única' na Fazenda justifica renda de Palocci, diz assessor Segundo informou na edição deste domingo o jornal "Folha de S.Paulo", Palocci ampliou o patrimônio em 20 vezes entre 2006 e 2010, período em que exerceu mandato de deputado federal. De acordo com o jornal, Palocci comprou um apartamento de luxo no bairro dos Jardins, em São Paulo, por R$ 6,6 milhões, registrado em novembro de 2010 em nome da empresa de consultoria Projeto, da qual o ministro possui 99,9% do capital.

Um ano antes, segundo o jornal, Palocci comprou um escritório na cidade por R$ 882 mil. O imóvel, segundo a reportagem, também foi registrado em nome da Projeto.

Antes de virar deputado federal e de abrir a empresa de consultoria Projeto, Palocci foi ministro da Fazenda do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entre janeiro de 2003 e março de 2006.

Para Sarney, essa passagem pelo Ministério da Fazenda foi o que garantiu a Palocci uma “soma de experiências” utilizada depois na iniciativa privada.

“Acho que o ministro Palocci, como tem sido corrente no Brasil com todos aqueles que têm exercido cargos públicos na área econômica, adquiriu uma soma de experiências e depois dessa soma de experiência teve uma atividade na iniciativa privada. O ministro Palocci não fez mais do que isso. É um homem extremamente competente, é um grande expositor, adquiriu grande visibilidade e é convidado para fazer palestras, conferências, participar de seminários.”

A decisão do ministro-chefe da Casa Civil de não divulgar as atividades de consultoria que prestou e a lista de clientes de sua empresa, na avaliação de Sarney, é uma questão “particular” de Palocci e cabe ao ministro optar pelo sigilo de suas ações.

O presidente do Senado também afirmou que a Comissão de Ética Pública da Presidência já analisou o caso do ministro da Casa Civil e não encontrou elementos para abrir uma investigação contra Palocci.

Sobre a pressão da oposição em torno do ministro, Sarney avaliou que os líderes partidários estão cumprindo o papel de oposicionistas em “questionar” os fatos publicados na imprensa.

Política

Tarcísio elogia Justiça Eleitoral ao lado de Moraes às vésperas de ato de Bolsonaro

Ambos foram vistos em um evento na tarde de hoje

23/02/2024 20h00

Fotos: Fábio Pozzebom/ Agência Brasil

Continue Lendo...

Às vésperas de participar de ato com Jair Bolsonaro (PL) na avenida Paulista, Tarcísio de Freitas (Republicanos) elogiou nesta sexta-feira (23) a Justiça Eleitoral em evento com presença do presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Alexandre de Moraes.
A fala aconteceu durante posse dos novos presidente e vice-presidente do TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo), que acompanharão as eleições de 2024.

Moraes, que atua em inquéritos que envolvem Bolsonaro, é alvo do frequente dos protestos bolsonaristas. O ex-presidente, por exemplo, convocou o ato de domingo (25) para se defender em caso de apurações da Polícia Federal sobre eventual participação dele na tentativa de um golpe de Estado para se manter no poder.

Tanto o ministro do STF quanto Tarcísio, afilhado político de Bolsonaro, se trataram com cordialidade com cumprimentos mútuos em seus discursos.

Tarcísio citou três desafios do Estado democrático de Direito: representatividade, garantia da segurança jurídica e promoção da justiça social.
"Seguramente, a Justiça Eleitoral garante os três desafios, garante a representatividade, a segurança jurídica, garante a promoção da justiça social por meio da representação soberana do voto, da vontade popular, por meio das eleições", disse, acrescentando que o estado auxiliará nos temas.

Já Moraes elogiou o papel da Justiça Eleitoral ao longo de 92 anos de existência, com a ajuda da concretização da democracia no Brasil. "O que importa é que, a cada dois anos, desde a redemocratização, o Brasil tem eleições, livres, seguras, transparentes e a garantia que o eleitor e a eleitora tenham liberdade na hora de votar e a certeza que voto que digitou na urna eletrônica é o voto que vai ser computado", disse.
O evento também contou com a presença dos ministros do STF André Mendonça, Dias Toffolli e Cristiano Zanin. Além disso, compareceram o ministro da Justiça, Ricardo Lewandovski, e das Relações Institucionais, Alexandre Padilha.

O prefeito Ricardo Nunes (MDB), outro que deve comparecer ao ato, também esteve presente.

No TRE, o novo presidente é Silmar Fernantes, que está na magistratura desde 1988 e virou desembargador em 2016. Ele já ocupou a vice-presidência do TRE.
O vice-presidente é José Antonio Encinas Manfré, na magistratura desde1985. Desembargador desde 2012, ele também já atuou no TRE.
 

DECISÃO

Juiz livra André Puccinelli de processo que o investigava por receber propina da JBS

Histórico da troca de suborno por benefícios fiscais teria ocorrido, segundo a denúncia, entre 2007 e 2014

23/02/2024 18h36

O ex-governador André Puccinelli, em dia de entrevista ao Correio do Estado, em julho de 2022 Correio do Estado/Arquivo

Continue Lendo...

O ex-governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (MDB), livrou-se da denúncia que o acusava de receber propina da JBS, multinacional reconhecida como uma das líderes globais da indústria de alimentos. Puccinelli teria recebido dinheiro em troca de benefícios fiscais concedidos à empresa entre 2007 a 2014, que que governou MS.

Além do emedebista, salvaram-se na causa 11 pessoas e oito empresas que tinham sido incluídos no processo por imbrobidade administrativa pelo suposto embolso da propina. O assunto da propina tornou-se público depois que os diretores da JBS, por meio de delação premiada, resolveram contar a trama que envolvia políticos.

Absolveu Puccinelli o juiz Ariovaldo Nantes Corrêa, da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, que enxergou prescrição na causa.

“Apesar da entrada em vigor da Lei nº 14.230, de 25.10.2021, que alterou substancialmente a Lei nº 8.429/1992, inclusive no tocante ao regime prescricional, verifica-se que a pretensão condenatória do requerente [MPMS, Ministério Público de Mato Grosso do Sul], cuja ação foi ajuizada somente no mês de abril de 2020, encontra-se prescrita contra todos os requeridos com fundamento na anterior redação do artigo 23, I, da Lei nº 8.429/1992, conforme alegado por eles em suas defesas prévias”, interpretou o magistrado.

Sustentou, ainda, o juiz:

“Ocorre que os requeridos André Puccinelli e André Luiz Cance [ex-secretário estadual] exerceram referidos cargos apenas até o fim do ano de 2014 (fls. 12.815-6), mas a presente ação civil pública por ato de improbidade administrativa somente foi ajuizada no mês de abril de 2020, sendo que o artigo 23, I, da Lei nº 8.429/1992 dispunha em sua antiga redação, aplicável ao caso porque consumada a prescrição antes da alteração introduzida pela Lei nº 14.230/2021”.

Seguiu Ariovaldo Corrêa:

“Como da cessação dos referidos vínculos com a administração estadual até o ajuizamento da presente ação decorreram mais de cinco anos, consumou-se a prescrição da pretensão condenatória não somente no tocante aos requeridos André Puccinelli e André Luiz Cance, mas também em relação aos particulares por força do entendimento sumulado pelo Superior Tribunal de Justiça”.

O juiz também assim justificou sua decisão:

“Quanto à alegação trazida pelo requerente na inicial no sentido de que não teria se operado a prescrição da pretensão condenatória porque o termo inicial do prazo prescricional seria a data em que ele, enquanto legitimado para o ajuizamento da ação civil pública por ato de improbidade administrativa, teria tomado conhecimento dos fatos, não merece acolhimento, pois tal tese, que até encontra amparo no Superior Tribunal de Justiça, limita-se aos casos em que o ato de improbidade é cometido por servidor público efetivo ou em emprego público”.

Em 2018, de julho a dezembro, o ex-governador e um dos filhos, foram encarcerados justamente por suposto recebimento da propina em questão.

O ex-governador ainda não se manifestou quanto à decisão. Caso isso ocorra este material será atualizado.

 

 

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).