Clique aqui e veja as últimas notícias!

MUDANÇAS

Polícia Civil e Corpo de Bombeiros terão novos comandos em Mato Grosso do Sul

Reinaldo Azambuja anunciou mudanças no Governo nesta segunda-feira
22/02/2021 08:49 - Rafaela Moreira


Durante uma transmissão realizada nesta segunda-feira (22), o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) anunciou mudanças no comando de algumas pastas do governo. O delegado-geral adjunto, Adriano Garcia Geraldo, será o novo delegado-geral da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul e o Corpo de Bombeiros do Estado será comandado pelo Coronel Djan Leite.

O então delegado-geral da Polícia Civil, Marcelo Vargas, está se aposentando da corporação por tempo especial. O delegado iniciou a carreira em Campo Grande e dirigiu quase todas delegacias da Capital, até chegar ao comando da Delegacia Especializada em Repressão a Roubos, Assaltos e Sequestros (Garras), em 1997. Em 2016 assumiu o posto de delegado-geral, que agora passará para o adjunto, Adriano Garcia.

“Ele contribuiu muito nesses seis anos. No início do mandato tivemos o Roberval [Ferreira França] e na sequência ele assumiu. A partir de hoje o Doutor Adriano vai ser o novo delegado, que vai cumprir a missão de que o Mato Grosso do Sul continue sendo a melhor do Brasil”, anunciou Reinaldo. 

Últimas notícias

Com a aposentadoria, Vargas irá “cumprir uma nova missão no Governo”, destacou Azambuja. 

CORPO DE BOMBEIROS 

O então comandante-geral do Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul, Coronel Joilson,  deixa a função a pedido e com isso, assume o coronel Djan Leite.

“Nós temos uma gratidão enorme ao Joilson que esteve até agora e nós vamos fazer alternância, o Comando Geral do Corpo de Bombeiros Militar vai ser trocado também, o coronel Djan assumirá e deve fazer estruturação contra incêndios no Estado. Quando chega o mês de junho a agosto, voltam às secas e precisamos controlar esses incêndios e o Joilson vai cumprir uma missão na Sejusp numa dinâmica na área de infraestrutura em que já foi validado”, explicou Azambuja. 

De acordo com o governador,  as trocas não são político-partidárias e sim de confiança no trabalho a ser desenvolvido. 

“Nunca partidarizei no meu governo e não vou fazer isso, aqui não tem nada político-partidário. São questões de confiança e escolha do governador. Tem algumas alternâncias que são salutares e a gente não pode conviver com acomodações e precisamos chacoalhar para que as coisas melhorem", pontuou. 

Assine o Correio do Estado