Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PALÁCIO GUAICURUS

Por pandemia, Assembleia de MS deve cancelar recesso de julho

Presidente disse que deputados pediram para manter os trabalhos e aprovar medidas contra pandemia
05/06/2020 10:14 - Adriel Mattos


A Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul (Alems) pode prosseguir com as atividades e cancelar o recesso de julho. A informação foi confirmada pelo presidente da Casa, Paulo Corrêa (PSDB), em entrevista à TV Alems.

“Até este momento todos os deputados estão pedindo para a gente tocar direto porque com a possibilidade das pessoas ficarem em home office, a mudança de horário para fazer o atendimento na Assembleia, nós vamos tocar direto”, explicou Corrêa, destacando a necessidade de se aprovar projetos ligados ao combate da pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

O presidente ainda pediu aos prefeitos que enviem projetos de decreto legislativo para calamidade pública, ainda que alguns municípios não tenham casos. O tucano frisou a necessidade das administrações municipais darem publicidade aos gastos emergenciais motivados pela pandemia.

“É mais uma ferramenta importante na execução do combate ao coronavírus. Não vai ser negado a nenhum município. Nós temos consciência que alguns estão fazendo o combate direto, mas outros estão se precavendo para não ter coronavírus. Então, os dois precisam do decreto de calamidade pública. Em que pese o presidente ter decretado em nível nacional, o governador em nível local e aprovado na Assembleia, os municípios têm também mais uma peça de garantia porque o Orçamento é mexido de uma forma diferenciada, mas não elimina os prefeitos de terem que fazer a prestação de contas correta da aplicação do recurso público no combate ao coronavírus”, disse.

 
 

LDO E REFIS

Apresentado nesta semana, o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) 2021 será analisado com calma, ainda que tenha chegado mais uma vez na primeira semana de junho. Corrêa destacou a queda de receitas em razão da crise causada pela pandemia, mas que o agronegócio ajudou a minimizar as perdas.

“Dessa forma, os parlamentares irão analisar com calma e poderão oferecer emendas. Com certeza, os deputados terão mais tempo para avaliar o projeto que norteia o orçamento geral do Estado. Neste ano, teremos o incremento de aproximadamente 2,5% na previsão orçamentária para o ano que vem. Com a pandemia do coronavírus, o país inteiro está prevendo o encolhimento das receitas. Por conta do agronegócio e do setor de papel e celulose, Mato Grosso do Sul prevê o incremento na arrecadação”, relatou.

Já o projeto que prorroga o prazo do Programa de Recuperação de Créditos Fiscais (Refis) do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação – o Refis do ICMS – recebeu uma emenda coletiva que amplia a data do programa, de 15 de julho para 30 de setembro.

“O Refis, com praticamente zero juros e multas, vem possibilitando que o empresário leve seu negócio para frente. [...] Num momento de crise como este, o Refis é de extrema importância para a economia”, afirmou o presidente.

 

Felpuda


Devidamente identificadas as figurinhas que agiram “na sombra” em clara tentativa de prejudicar cabeça coroada. Neste segundo semestre, os primeiros sinais começarão a ser notados como reação e “troco” de quem foi atingido. Nos bastidores, o que se ouve é que haverá choro e ranger de dentes e que quem pretendia avançar encontrará tantos, mas tantos empecilhos, que recuar será sua única opção na jornada política. Como diz o dito popular: “Quem muito quer...”.