Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASÍLIA

Presidente participa de ato em frente a Palácio do Planalto

"Não há faixas contra a Constituição e a democracia", disse Bolsonaro sobre o ato
17/05/2020 12:58 - Estadão Conteúdo


 

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) participou na manhã deste domingo (17) de ato em frente ao Planalto. Na rampa do local, o presidente afirmou que não há nenhuma faixa que atente contra a Constituição e o Estado Democrático de Direito. Bolsonaro deu parabéns aos manifestantes por não portarem nenhum cartaz com mensagens contra a democracia, como as que defendiam em outros protestos o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF).

"O governo federal tem dado todo o apoio para atender às pessoas que contraíram o vírus, e esperamos brevemente ficar livre dessa questão, para o bem de todos nós. O Brasil com certeza voltará mais forte. O que nós queremos é resgatar os valores que formam nossa nacionalidade, respeita a família, ter uma a boa política externa. Tenham certeza que movimentos como esse fortalecem o nosso Brasil acima de tudo."

Acompanham o presidente na rampa dez ministros, entre eles Onyx Lorenzoni (Cidadania), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Marcos Pontes (Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações), André Mendonça (Justiça e Segurança Pública), Abraham Weintraub (Educação) e Bento Albuquerque (Minas e Energia). Também está presente o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), um dos filhos do presidente. Todos usam máscaras de proteção.

Nas faixas em frente ao Planalto há dizeres como "Nossa bandeira jamais será vermelha" e "Brasil acima de tudo, Deus acima de todos". Há também manifestantes com Bandeiras do Brasil, além de Estados Unidos e Israel.

 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.