Política

Lava Jato

Preso na Lava Jato, Bumlai diz que vai revelar "fatos ilícitos" sobre Belo Monte

Pecuarista de Mato Grosso do Sul ajudou a configurar o primeiro consórcio que ganhou o leilão

FOLHAPRESS

23/12/2015 - 19h49
Continue lendo...

O pecuarista de Mato Grosso do Sul José Carlos Bumlai, o amigo de Lula que foi preso no final de novembro pela Operação Lava Jato, contou em depoimento à Polícia Federal que vai revelar "fatos ilícitos de que tem ciência" sobre a construção da usina de Belo Monte.

Uma das revelações que Bumlai fez, segundo a reportagem apurou, foi que ele ajudou a configurar o primeiro consórcio que ganhou o leilão para construir Belo Monte, mas não fez a obra por falta de capacitação técnica.

Esse consórcio foi estimulado pelo governo do então presidente Lula para pressionar as empreiteiras que haviam feito o estudo para construir Belo Monte (Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa e Odebrecht), as quais consideraram baixo demais o preço estimado para a obra.

O consórcio, que ganhou o leilão para a obra em 2010, era integrado por empresas menores, como Queiroz Galvão, Mendes Junior e Cetenco, junto com a Chesf (Companhia Hidro Elétrica do São Francisco).

As grandes empreiteiras chamavam esse grupo de "aventureiros". Posteriormente, as grandes assumiram a obra, orçada em R$ 14 bilhões, em valores de 2010. Vários delatores já contaram à PF que houve pagamento de propina na obra de Belo Monte, para políticos do PT e do PMDB.

Os fatos narrados por Bumlai permanecem em sigilo porque vão fazer parte de um novo inquérito da PF.

Bumlai decidiu confessar irregularidades depois de ser preso pela Lava Jato, para tentar obter uma pena menor. Ele já assumiu que fez um empréstimo de R$ 12 milhões em seu nome, em 2004, mas que o dinheiro era para o caixa dois do PT, o que o partido nega.

LOBBY

Bumlai narrou em novo depoimento, o qual se tornou público nesta quarta (23), que ajudou a marcar uma reunião em 2014 entre o ex-presidente Lula e o embaixador do Qatar porque tinha interesse em vender a sua usina de álcool para uma empresa daquele emirado do Oriente Médio.

Em interrogatório anterior, o pecuarista disse que jamais tratou de negócios com o ex-presidente. A omissão levou o delegado Filipe Hille Pace a escrever no depoimento que Bumlai "continua a mentir e omitir sobre fatos relevantes para a investigação".

Bumlai queria vender a usina porque seu grupo empresarial de Bumlai, chamado São Fernando, está em recuperação judicial desde abril de 2013, com dívidas de R$ 1,2 bilhão. A Folha de S.Paulo revelou nesta quarta (23) que o BNDES pediu a falência "imediata" das empresas de Bumlai porque não recebe nada delas há um ano. A dívida de Bumlai junto ao BNDES soma R$ 300 milhões.

Em email apreendido pela PF, de 21 de fevereiro de 2014, Bumlai escreveu o seguinte ao secretário da embaixada do Qatar: "Estive hoje tratando do assunto, e o ex-presidente Lula volta dia 27 de fevereiro para o Brasil e marcará a data conforme solicitado no email da embaixada, ou seja, antes de 19 de março".

O pecuarista relata algumas peculiaridades de sua amizade com Lula, a quem conheceu em 2002, quando emprestou sua fazenda em Mato Grosso do Sul para a gravação de um programa para a campanha eleitoral.
Segundo o pecuarista, Lula "nunca possuiu um número de celular próprio". Quando queria falar com o ex-presidente, Bumlai disse que ligava para Marisa Letícia Lula da Silva, a mulher de Lula.

Ele negou ao delegado que tenha exercido as funções de "secretário" de Lula. Bumlai contou que quando recebia demandas relacionadas ao ex-presidente, as repassava para Clara Ant, diretora do Instituto Lula e responsável pela agenda do ex-presidente.

Procurado, o Instituto Lula não quis se pronunciar.

CASO CLAUDINHO SERRA

Delator cita em "esquema" empresa que faz assessoria técnica para 25 prefeituras

O Instituto Multidisciplinar de Consultoria (Imdico) oferece assessoria técnica especializada no segmento administrativo

19/06/2024 08h00

Tiago Basso, ex-servidor da prefeitura de Sidrolândia, durante depoimento ao Gecoc e Gaeco

Tiago Basso, ex-servidor da prefeitura de Sidrolândia, durante depoimento ao Gecoc e Gaeco Foto: Reprodução

Continue Lendo...

O ex-servidor municipal de Sidrolândia, Tiago Basso da Silva, citou, na delação premiada aos promotores de Justiça do Grupo Especial de Combate à Corrupção (Gecoc) e do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) sobre a suposta estrutura criminosa que seria comandada pelo vereador licenciado Claudinho Serra (PSDB) na prefeitura do município, o envolvimento do Instituto Multidisciplinar de Consultoria (Imdico) no esquema fraudulento.

Fundada por ex-funcionários da CN&A Consultoria, onde assessoraram diversas prefeituras e câmaras municipais em Mato Grosso do Sul, a Imdico oferece assessoria técnica especializada na área administrativa para prefeituras e órgãos governamentais. 

No site da empresa, há a informação de que mais de 25 municípios são atendidos, incluindo importantes cidades como Campo Grande, Dourados, Três Lagoas e Ponta Porã. Além disso, o Imdico reforça no seu portal na Internet que sua equipe é multidisciplinar, composta por profissionais de diversas áreas, como Administração, Contabilidade, Economia e Direito. 

De acordo com a empresa, essa abordagem integrada permite oferecer soluções personalizadas que atendem às necessidades específicas de cada município, sempre com foco na qualidade da gestão, na otimização dos recursos e no bom desempenho da máquina pública, permitindo aos gestores fazer solicitações e acessar relatórios atualizados a qualquer momento, conferindo maior transparência e agilidade à gestão governamental.

No entanto, em um dos depoimentos prestados aos promotores de Justiça Adriano Lobo Viana de Resende e Bianka Machado Arruda Mendes, Tiago Basso colocou em xeque a idoneidade do Imdico, sugerindo que a empresa de assessoria técnica especializada na área administrativa estaria envolvida no esquema de notas frias que seria coordenado pelo vereador licenciado Claudinho Serra, que na época era o titular da Secretaria Municipal de Finanças, Tributação e Gestão Estratégica de Sidrolândia (Sefate).

A empresa aparece na delação quando o promotor de Justiça Adriano Lobo Viana de Resende questiona Tiago Basso quem seria a pessoa chamada apenas de “Rafael” – não confundir com Rafael Soares Rodrigues, que estava à frente da Secretaria Municipal de Educação de Sidrolândia e foi exonerado após ser preso por envolvimento no esquema – e que foi citada em alguns momentos do depoimento.

“Esse Rafael é sobrinho da prefeita {Vanda Camilo, do PP}. Ele sempre estava lá, junto com nós (sic), lá na Secretaria {Sefate}, sempre estava na minha sala. Até o pessoal brincava que a minha sala já era bem pequeninha e que não cabia ninguém lá, mas entravam o Carlos {ex-secretário municipal de Saúde, Luiz Carlos Alves da Silva, o Pitó} e o Rafael lá e ficava sentado o dia inteiro”, explicou Tiago Basso ao promotor de Justiça, entretanto, o Correio do Estado apurou que Vanda Camilo não tem nenhum sobrinho com o nome de Rafael.

Em prosseguimento ao depoimento, o delator disse que estranhou o Rafael, pois, na primeira vez em que ambos se encontraram na sua sala na Sefate ele já trouxe uma nota fiscal da Imdico.

“A primeira vez ele me trouxe uma nota da empresa chamada Imdico, Imdico com ‘M’, né? Imdico com ‘M’. E ele deixou lá comigo”, revelou.

Neste momento, o promotor de Justiça interrompe Tiago Basso dizendo que, em relação a esse caso, o assunto seria tratado em outro anexo, pois não faria parte da investigação principal.

“Vamos tratar por anexo, se for diferente de uma outra situação, vamos se limitar aqui. Esse Rafael não tinha a ver com o que está descrito na denúncia?”, questionou Adriano Lobo Viana de Resende.

Em resposta, o delator fala que não.

“Não, o Rafael não tem a ver com essa parte da denúncia. Ele é um sobrinho da prefeita que vivia lá”, recordou, reforçando outra vez que o rapaz seria sobrinho da prefeita, sem saber que ela não tem nenhum sobrinho com esse nome.

Mais uma vez o promotor de Justiça explica que essa questão será tratada em um outro anexo, o qual o Correio do Estado não teve acesso.

“Tem outro anexo que vai ser específico sobre outros assuntos. Da denúncia que o senhor lembra, tem mais alguma coisa?”, perguntou novamente, recebendo como resposta uma negativa do delator. “Não, o que eu lembro é isso daí”, finalizou Tiago Basso.

A EMPRESA

O Correio do Estado fez uma consulta rápida sobre o Imdico e apurou que a empresa tem como CNPJ o nº 13.814.929/0001-04, sendo fundada no dia 26 de maio de 2011 e com capital inicial de R$ 400 mil. 

A empresária Ana Lucia Piroli aparece como sócia-administradora e o endereço comercial é no Edifício Evolution Center, localizado na Avenida Afonso Pena, 5.723, sala 1.002, Bairro Chácara Cachoeira, em Campo Grande (MS).

Pela Classificação Nacional das Atividades Econômicas (CNAE), o Imdico tem como atividade principal atividades de consultoria em gestão empresarial, exceto consultoria técnica específica, enquanto as atividades secundárias são representantes comerciais e agentes do comércio de mercadorias em geral não especializado e consultoria em tecnologia da informação,

O Imdico ainda atua com tratamento de dados, provedores de serviços de aplicação e serviços de hospedagem na Internet, atividades de contabilidade, atividades de consultoria e auditoria contábil e tributária, aluguel de máquinas e equipamentos para escritório, treinamento em desenvolvimento profissional e gerencial e, por último, outras atividades de ensino não especificadas anteriormente.

PCC

Também em sua delação ao Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MPMS), Tiago Basso apontou o envolvimento da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) com o esquema.

Ele contou que, quando foi preso com Ueverton da Silva Macedo, o “Frescura”, e Roberto Valenzuela no Presídio de Trânsito em Campo Grande, em julho de 2023, percebeu que o PCC estaria envolvido na estrutura criminosa.

“Nós três ficamos no corró {gíria para o local onde os presos recém chegados são colocados}, na sexta-feira, no sábado, no domingo e, na segunda-feira, a gente já foi transferido para a mesma cela, a cela 8 do presídio. Então, nós ficamos juntos na mesma cela e todo mundo na época ficou abismado lá, porque geralmente as pessoas não saem do corró com menos de 10 dias”, contou, citando que tinham detentos no corró há mais de 14 dias e eles ficaram só três dias.

Na cela 8, o ex-servidor disse que conversava muito sobre a “Operação Trumper” e o “Frescura” falou para ele ficar tranquilo, que eles iriam sair em 15 dias no máximo.

“Mas, quando eu vi que realmente não era isso, que a coisa era bem mais séria do que eles me falavam, questionei o Frescura sobre a possibilidade de eu fazer, de nós fazermos, uma delação premiada. Ele ficou alterado e no dia não quis mais conversar comigo”, revelou.

Tiago Basso explicou que “Frescura” só falou com ele dois dias depois.

“No domingo, ele me chamou para conversar. Aí a gente foi caminhando pela quadra, só nós dois conversando, ele falou: ó, vou ser bem honesto com você, se você tomar a decisão de fazer uma delação premiada, você pode ter certeza que antes da minha mãe chorar, a mãe que vai chorar vai ser a sua”, recordou a ameaça feita.

O ex-servidor pediu para falar com o seu advogado e ele o aconselhou a tentar se afastar do “Frescura”, conversando o mínimo possível até sair do presídio.

“Porque dava para ver a ligação que ele tinha com os presos lá, o contato que ele tinha com os presos, todo mundo conhecia ele lá dentro. Todo mundo tinha um vínculo de amizade ou de favor que devia pra ele ir lá. E o presídio que a gente ficou era uma unidade faccionada do PCC, o PCC comanda ali, aquela unidade. Então dava para ver que ele tinha muito contato com aquelas pessoas ali e aquilo me deixou atônito na época e falei para o meu advogado que não queria mais conversar, não queria mais nada, que queria só ficar no meu canto”, afirmou.

Tiago Basso revelou ainda que, quando eles ficaram sabendo que ele estava pensando em fazer a delação premiada, o seu advogado foi procurado por um advogado chamado Douglas Matos.

“Ele foi até o presídio e mandaram eu falar com ele, sendo que o Frescura foi junto comigo. Ele não chamou só eu para conversar, ele chamou o Frescura junto, então entrou nós dois na sala junto para conversar”, lembrou.

Ainda conforme o delator, Frescura teria sido bem direto com o advogado.

“Ele falou diretamente ao advogado: eu só quero saber se o senhor veio falar em delação premiada. O advogado disse que não, nem pensar em delação premiada. O Frescura disse que era para eu ficar tranquilo, que o meu pagamento seria por parte deles. Inclusive, disse que a minha família lá fora, enquanto eu estivesse preso, eles iriam cuidar”, ressaltou.

O Correio do Estado ligou para o telefone comercial da empresa, mas, até o fechamento desta matéria, não obteve sucesso. O espaço continua aberto para a manifestação do Imdico, caso queira comentar a delação.

Assine o Correio do Estado

Pesquisa

Datafolha: aprovação de Lula sobe para 36% e reprovação cai pra 31%

No mesmo período da gestão Jair Bolsonaro, ex-presidente era aprovado por 32% e reprovado por 44%

18/06/2024 18h17

Aprovação de Lula teve leve alta

Aprovação de Lula teve leve alta Arquivo

Continue Lendo...

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) viu uma leve melhora na sua avaliação, conforme revelado pela nova rodada da pesquisa Datafolha divulgada nesta terça-feira, 18 de junho.

A aprovação de Lula subiu de 35% em março para 36% no levantamento atual. Ao mesmo tempo, a reprovação caiu de 33% para 31%. A avaliação regular apresentou uma leve variação, passando de 30% para 31%.

Comparando com o mesmo período do governo de Jair Bolsonaro, Lula está em uma posição mais favorável. Nos primeiros seis meses de gestão, Bolsonaro contava com 32% de aprovação e uma reprovação significativa de 44%, segundo os dados do Datafolha.

Em termos de expectativas econômicas, os dados mostram otimismo. Cerca de 40% dos entrevistados acreditam que a economia irá melhorar, enquanto 28% preveem uma piora e 27% acham que a situação permanecerá a mesma. Em março, essas expectativas eram de 39%, 27% e 32%, respectivamente.

Desafios econômicos

Apesar desse otimismo, muitos brasileiros ainda veem desafios econômicos. De acordo com a pesquisa, 42% dos entrevistados afirmaram que a situação econômica do país piorou nos últimos meses, enquanto 27% notaram uma melhora.

Quando perguntados sobre suas próprias finanças, 29% relataram uma melhora, enquanto 24% sentiram uma piora.

A pesquisa Datafolha foi realizada entre 4 e 13 de junho, ouvindo 2.008 eleitores em 113 municípios brasileiros. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos, garantindo uma representação precisa das opiniões dos eleitores.

Esses números são importantes indicadores da percepção pública sobre a administração de Lula e fornecem uma visão clara das expectativas e preocupações econômicas dos brasileiros.

Com a aprovação ligeiramente maior que a reprovação, Lula tem um sinal positivo, mas ainda enfrenta desafios significativos, especialmente no campo econômico.

Assine o Correio do Estado

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).