Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

INTERIOR

Projeto que aumenta salário de prefeito vira caso de polícia em Jardim

Segundo presidente do Legislativo, projeto não foi aprovado e emenda retira aumento de salário do Executivo
27/03/2020 15:14 - Yarima Mecchi


 

O Projeto de Lei Complementar (PLC) que aumentava o salário do prefeito de Jardim, Guilherme Monteiro (PSDB), do seu vice e de seus secretários virou caso de polícia na cidade. Conforme relatado em documento de notícia crime, por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) os parlamentares precisaram realizar a sessão do dia 24 de forma remota e após o encontro uma página na internet começou a divulgar fake news afirmando que salário do Executivo foi reajustado em 5%.

Conforme o presidente do Legislativo de Jardim, Fernando Ramos (PSDB), relata no documento de notícia crime que o projeto não foi aprovado e na sessão não foram aprovados projeto de leis ou requerimentos, apenas indicação. "Tendo em vista o momento em que o mundo atravessa com a Pandemia do COVID-19, não sendo diferente no município de Jardim, se mostra necessário algumas atitudes visando a economia financeira do município. Sabemos que é direito de todo o servidor a revisão de seus vencimentos, não se tratando de aumento, mas sim de atualização monetária", justificou o presidente do legislativo na emenda apresentada. 

O tucano relatou ao Correio do Estado que ainda realizou uma emenda ao projeto retirando o aumento ao primeiro escalão de Jardim, deixando o reajuste de 5% apenas para servidores efetivos, ativos, inativos.  

Conforme o documento encaminhado à Polícia Civil, e que o Correio do Estado teve acesso, foram vazados áudios da sessão remota e tirados de contexto. O documento assinado pelo presidente da Casa e tendo como testemunha os demais vereadores ressalta ainda que esta ano tem eleição para vereadores e prefeito, e pede que a investigação seja feita de forma detalhada.  

Felpuda


Apressadas que só, figurinhas tentaram se “apoderar” do protagonismo de decisão administrativa. Não ficaram sequer vermelhas quando se assanharam todas para dizer que tinham sido responsáveis pela assinatura de documento que, aliás, era uma medida estabelecida desde 2019. Quem viu o agito da dupla não pode deixar de se lembrar daquele pássaro da espécie Molothrus bonarienses, mais conhecido como chupim, mesmo. Afe!