Política
ELEIÇÕES

PSDB anuncia para este sábado conclusão de prévias entre Doria e Eduardo Leite

Depois de a votação ter sido interrompida, no domingo (21), por pane no aplicativo, o partido contratou uma outra empresa de tecnologia

FOLHAPRESS

27/11/2021 17:59

O PSDB anunciou, nesta sexta-feira (26), que dará prosseguimento às prévias presidenciais entre os governadores João Doria (SP) e Eduardo Leite (RS) no sábado (27) -a votação será das 8h às 17h, e o resultado está previsto para as 20h.

Depois de a votação ter sido interrompida, no domingo (21), por pane no aplicativo, o partido contratou uma outra empresa de tecnologia, a BeeVoter, que teve sua ferramanta aprovada em testes para dar seguimento às prévias.

A votação está apertada entre Doria e Leite, que voltaram a trocar acusações e aprofundaram suas diferenças nesta semana de indefinição. O ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio também participa, mas sem chances de vencer.

As três campanhas pressionavam pela conclusão da votação. O presidente do partido, Bruno Araújo, havia dado domingo (28) como prazo para a retomada do pleito e anúncio do vencedor.

Nesta quarta (24), a Faurgs (Fundação de Apoio à Universidade Federal do Rio Grande do Sul), responsável pelo app original que travou, divulgou que considerava "muito plausível a ocorrência de um ataque de hackers" à ferramenta.

Desde segunda (22), o partido fez testes com novas empresas até escolher uma nova ferramenta de votação. A eleição será feita por meio de um site, com validação por reCAPTCHA e SMS -não haverá reconhecimento facial, como no app da Faurgs.

"Nosso corpo técnico chegou a um entendimento de que, dentro das características, das possibilidades do tempo e do rigor técnico dos testes, e não havendo ainda nenhuma tecnologia absolutamente robusta para algo que o PSDB exige, escolhemos uma empresa que vai retomar o processo de prévias do PSDB amanhã no mesmo horário da tradição eleitoral brasileira, de 8h às 17h", disse Araújo.

Segundo o presidente do PSDB, a empresa vencedora foi submetida a dezenas de horas de testes.

"Essa tecnologia, para os padrões de exigência de uma disputa de partidos políticos, ainda tem uma certa dificuldade de atender aos parâmetros exigidos, mas fizemos o que é de melhor para possibilitar retomar essa votação amanhã e concluir o processo para anunciar o candidato a presidente da República do PSDB."

Só poderão acessar o sistema de votação os cerca de 36 mil filiados que não conseguiram votar no domingo. O PSDB fará um evento para anunciar o vencedor em um hotel em Brasília. Os três candidatos participarão presencialmente.

Na primeira rodada das prévias, o PSDB organizou também uma votação por urnas eletrônicas, em Brasília, para prefeitos, deputados e senadores que quiseram votar presencialmente. Desta vez, todos (com mandato ou sem) votarão online.

Araújo disse ainda que os outros partidos não terão problemas com aplicativos "porque não têm prévias". "Não têm escolha, não têm processo democrático pujante como esse do PSDB, seja PT, seja MDB, seja qualquer outra instituição importante da política brasileira."

Em paralelo, o PSDB fará uma auditoria para investigar o suposto ataque hacker que teria impedido a conclusão do pleito. O partido resolveu aguardar dez dias e fazer a investigação própria antes de acionar a Polícia Federal.

O contrato com a Faurgs, para criar o app original, foi de cerca de R$ 1,3 milhão, sendo que aproximadamente metade do valor já foi paga. O partido não descarta renegociar o restante, alegando que a ferramenta não cumpriu seu propósito.

No início do processo das prévias, o PSDB decidiu desenvolver do zero um aplicativo de votação próprio porque tinha a intenção de doá-lo aos demais partidos, incentivando prévias em outras legendas.

A ideia era alavancar o PSDB como o partido com expertise em votações internas, uma referência nacional numa iniciativa inovadora -imagem que já naufragou.

Segundo Araújo, o custo da votação da BeeVoter não pode ser comparado ao do aplicativo da Faurgs. "São coisas completamente diferentes. Nós estamos contratando um serviço", disse.

"No outro caso, nós estamos na construção de um software de um aplicativo que é propriedade intelectual do PSDB."

Por meio das redes sociais, os três candidatos comemoraram o anúncio.

"Concordamos e apoiamos a decisão do presidente do PSDB, Bruno Araújo, para dar prosseguimento às prévias do PSDB amanhã. Prévias engrandecem o PSDB no exercício da democracia e do voto dos seus filiados e mandatários. Viva a democracia!", escreveu Doria.

"Vamos ao voto! Decisão acertada de Bruno Araújo. A conclusão das prévias tem nosso apoio. O mais importante foi alcançado: segurança de que os votos serão sigilosos! Que cada tucano vote com o coração e esperança! Vamos juntos pra uma candidatura com a cara do PSDB!", publicou Leite.

"Apoio a decisão do presidente do PSDB, Bruno Araújo, em continuidade das prévias partidárias neste sábado, 27/11. Com união e realismo, o PSDB pode ser um grande player nas eleições 2022. Que as prévias se concretizem e que o vencedor seja apoiado por todos", afirmou Virgílio.

Araújo afirmou ainda, na quinta (25), que as dificuldades para encontrar um instrumento apto a concluir a votação se devem "ao nível de exigência que o PSDB e as candidaturas estão impondo às empresas". "Muito provavelmente poucas empresas no Brasil possam resistir a isso."

No último domingo, o PSDB fez uma votação híbrida. Num evento em Brasília, feito para anunciar o vencedor, mas que terminou de forma melancólica sem os resultados, puderam votar por meio de urnas eletrônicas os prefeitos e vices, deputados estaduais, deputados federais, senadores, governadores e vices e os ex-presidentes do partido.

Os filiados sem mandato e os vereadores deveriam votar pelo aplicativo, que não funcionou. A votação, que seria das 7h às 15h, foi ampliada para 18h e acabou suspensa. 

Outros tucanos do alto clero que não viajaram a Brasília e preferiram votar pela ferramenta online tampouco conseguiram votar.

​A suspensão da votação agravou a divisão interna entre Doria e Leite. Enquanto Doria e Virgílio propuseram retomar a votação no próximo domingo, a campanha de Leite queria a retomada na terça (23), o que não foi possível.

De acordo com o PSDB, 44,7 mil tucanos (cerca de 3% do 1,3 milhão de filiados) se inscreveram para a votação em que cada grupo representa 25% da pontuação: filiados; prefeitos e vices; vereadores e deputados estaduais; deputados federais, senadores, governadores e vices, ex-presidentes do PSDB e o atual.

São Paulo, pela concentração de mandatários e filiados cadastrados, larga com 35% de peso nas prévias. Além do Rio Grande do Sul, Leite tem o apoio de estados-chave no tucanato, como Minas Gerais e Mato Grosso do Sul.

Araújo informou que de 62% a 65% dos votos, considerando os pesos desiguais dos grupos de votação, foram dados no domingo, pela urna e pelo aplicativo. Os resultados estão blindados e não serão apurados até que haja a votação complementar.

Assine o Correio do Estado