Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

COFFEE BREAK

Puccinelli não vai ao Gaeco e pede nova data para depoimento

Ainda não foi definida nova data para que o ex-governador preste esclarecimentos
03/09/2015 19:47 - GABRIEL MAYMONE E GABRIELA COUTO


 

O ex-governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli, que seria ouvido nesta quinta-feira (3), no Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) no âmbito da Operação Coffee Break, pediu para adiar a data da oitiva.

Puccinelli alegou compromissos inadiáveis. Ainda não foi definida nova data para a oitiva.

Das quatro oitivas previstas, apenas duas foram concretizadas, a do vereador Vanderlei Cabeludo (PMDB) e do ex-secretário municipal de Planejamento, Finanças e Controle na primeira fase da gestão de Bernal, Wanderley Ben Hur da Silva.

Após prestar depoimento, o vereador disse à imprensa que não houve compra de votos para cassar o mandato do prefeito. 

Ben Hur, por outro lado, não só admitiu que conheceu Amorim, como disse que o empresário tentou se aproximar dele por indicação do ex-presidente da Câmara Municipal, afastado das funções, Mario Cesar (PMDB). Ele também negou que vereadores tenham recebido vantagens. Para ele, a cassação de Bernal era irreversível.

 

 

Felpuda


Sem conseguir controlar a verborragia, figurinha estreante no mundo político-partidário, e que se acha “o último biscoito do pacote”, acabou batendo de frente com titãs da política. Primeiro perdeu os anéis e, agora, os dedos correm sérios riscos. Anda “ameaçando” deixar o lugar onde se encontra, só que por lá vem ouvindo frases como “se é por falta de adeus...”, “os incomodados que se mudem” e “não fará nenhuma falta”.

Como se vê...