Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ELEIÇÕES

Quatro promotores se candidatam para chefiar o Ministério Público, veja quem são

Pela primeira vez, a instituição não será comandada por um procurador de carreira
05/02/2020 18:24 - EDUARDO MIRANDA E YARIMA MECCHI


 

Pela primeira vez na história o Ministério Público de Mato Grosso do Sul será comandado por um promotor de Justiça, e não por um procurador, como ocorre desde a criação do Estado. No próximo dia 3 de abril, quatro promotores de Justiça devem disputar o cargo de Procurador-Geral de Justiça, por meio de uma votação que definirá uma lista tríplice que será encaminhada ao governador Reinaldo Azambuja. 

A votação para compor a lista que deve ser encaminhada ao governador Reinaldo Azambuja será realizada no dia 3 de abril, das 9h às 17h, sob a condução da comissão eleitoral. Fica facultada aos candidatos ou representantes por eles credenciados na comissão eleitoral a fiscalização ininterrupta de todo o processo de votação.

No próximo dia 10 de fevereiro, a comissão responsável pelo processo de escolha do próximo procurador, publicará a lista com as candidaturas homologadas.

Conforme o Correio do Estado antecipou no último dia 31 de janeiro, integram a lista os promotores de Justiça Alexandre Magno Benites de Lacerda, Paulo César Zeni e Ricardo Melo Alves. Também entrou para a lista Ricardo Rottuno, promotor de Justiça em Dourados. 

O prazo para requerer as inscrições para participar das eleições encerrou-se nesta quarta-feira (5). A lista oficial dos concorrentes ao comando do MPMS será divulgada no dia 10 de fevereiro no DOMP, com a relação dos candidatos habilitados e daqueles cujo pedido de inscrição tenha sido indeferido. 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.