Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DEPUTADOS

Rinaldo e Gerson são cotados para liderança do Governo

Troca de cadeiras no Legislativo pondera pré-candidatos as eleições de outubro
05/02/2020 10:30 - YARIMA MECCHI e IZABELA JORNADA


 

Com a troca de cadeiras nas comissões e na liderança do Governo do Estado na Assembleia Legislativa do Estado de Mato  Grosso do Sul (ALEMS), os deputado Gerson Claro (PP)e Rinaldo Modesto (PSDB) são os mais  cotados para representar o Executivo dentro da Casa. 
Conforme conversas de bastidores, os nomes dos dois parlamentares são os favoritos entre os gabinetes dos  24 deputados. 

Ontem foi aberto o ano legislativo da ALEMS com a presença do governador Reinaldo Azambuja, e dos secretários de Estado, Sérgio de Paula, Eduardo Riedel, Carlos Assis, entre outros. Durante entrevista coletiva, Azambuja destacou que a saída do deputado José Carlos Barbosa (DEM), o Barbosinha, da liderança do governo  é por conta da sua intenção de disputar a Prefeitura de Dourados, nas eleições de outubro conforme o Correio do Estado já havia noticiado.

“O deputado já disse que pleiteia e colocou o nome como pré-candidato a Prefeitura de Dourados, como outros que compõem outras comissões também devem colocar o nome a disposição nos seus respectivos municípios, inclusive na Capital. Então nós com certeza teremos um reordenamento nas liderança e vamos discutir com a Casa e com os líderes para a gente definir quem será liderança do governo e quem vai compor as comissões”, disse o Azambuja lembrando que Barbosinha também deve deixar a Comissão de Constituição Justiça e Redação (CCJ).

Presidida pelo deputado Lídio Lopes (Patriota) em 2019, o futuro da CCJ ainda é incerto, além da saída de Barbosinha da composição, o patriota não pretende continuar como presidente e havalia a possibilidade de permanecer como membro. 

Outro integrante da comissão que deve concorrer a prefeitura de Dourados é o deputado Marçal Filho (PSDB), ficando apenas  João Henrique Catan (PL) sem nenhum compromisso, caso Gerson seja o escolhido como líder de governo, não deve participar da CCJ.

Conforme informações de bastidores, caso Rinaldo Modesto assuma a liderança do governo, que ocupou durante quatro ano - durante o primeiro mandato de Azambuja - Gerson ficaria como presidente da CCJ. “A CCJ também passa pelo crivo do governo. É a comissão mais importante”, disse um deputado que não quis se identificar. 

Rinaldo Modesto disse que as lideranças ainda se reunirão para definir as composições das comissões e da liderança. “Não foi chamado ainda, às liderança vão se reunir. Eu vejo que tem várias pessoas preparadas. O Gerson conhece bem o poder público estadual, tem outros nomes, mas vai depender do governador”. 

Gerson acredita que os rumos entre Legislativo e Executivo devem ser definidos hoje, para ele o importante é que tenha harmonia entre os poderes e os parlamentares. “Se for indicação dos colegas, se tiver apoio, qualquer que for eu indicado vou me esforçar. Todas as possibilidades estão sendo colocadas na mesa, estão tentando uma compatibilização e consiga uma maior harmonia possível”, ressaltou. 

Presidente estadual do PSDB e secretário de articulação política, Sérgio de Paula, alegou que as lideranças estão sendo chamadas para conversar e não descartou os nomes de Gerson e Rinaldo. “O Rinaldo é uma pessoa que tem trânsito livre, amigo do governador, pode fazer parte da CCJ  ou da liderança. Estamos conversando com os líderes: Paulo Corrêa, Londres Machado, Lidio, Gerson, Rinaldo, Márcio Fernandes  e Evander” destacou o presidente.

Ainda de acordo com Sérgio de Paula, a previsão é que na sessão de quinta-feira seja anunciado quem será o  líder do governo. 

Felpuda


Embora embalada por vários “ex”, pré-candidatura a prefeito de esforçada figura não deslancha. É claro que ninguém ousa falar em voz alta que o apoio, em vez de alavancar os índices com o eleitorado, está é puxando para baixo. Uns dizem que o título do filme “Eu Sei O Que Vocês Fizeram no Verão Passado” retrata bem a situação. Outros complementam: “... na primavera, no outono, no inverno...”. Como diria vovó: “Aqui você planta, aqui você colhe!”.