Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

POLÊMICA

Wizard recusa convite para assumir secretaria do Ministério da Saúde

Empresário também deixou cargo de conselheiro
08/06/2020 13:32 - Da Redação


O empresário Carlos Wizard deixou o cargo de Conselheiro do Ministério da Saúde e recusou o convite para assumir a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Ele divulgou a decisão em nota, no domingo (07). Wizard foi criticado na última semana pelo Secretário Estadual de Saúde de Mato Grosso do Sul, Geraldo Resende, por sugerir que dados da Covid-19 fossem recontados.

“Decidi não aceitar para continuar me dedicando de forma solidária e independente aos trabalhos sociais que iniciei em 2018 em Roraima”, anunciou Wizard, em nota.

O empresário ainda se desculpou pela polêmica que causou. “Peço desculpas por qualquer ato ou declaração de minha autoria que tenha sido interpretada como desrespeito aos familiares das vítimas da Covid-19 ou profissionais de saúde que assumiram a nobre missão de salvar vidas”, destacou.

A afirmação não agradou aos secretários dos Estados. Em transmissão ao vivo,  o secretário de Saúde de Mato Grosso do Sul, Geraldo Resende, declarou que o único inimigo que deve ser enfrentado é o coronavírus. “O senhor Carlos Wizard, que não conhece nada de saúde, jogou a responsabilidade do número de casos de coronavírus e de óbitos dizendo que há distorção desse número, nós queremos dizer que aqui no Mato Grosso do Sul, nós temos transparência total, assim como em outros estados”, disse.
 

*Com informações do Estadão Conteúdo

 
 

Felpuda


Lideranças de alguns partidos estão fazendo esforço da-que-les para fechar chapa com o número exigido por lei de 30% do total de vagas para as mulheres. Uma dessas legendas, por exemplo, tenta mostrar a “felicidade” das suas pré-candidatas, mas teme o fracasso, tendo em vista que o “chefe maior” é aquele que já mandou mulheres calarem a boca e disse também que a importância da sua então esposa na campanha eleitoral era porque apenas “dormia com ele”. Ô louco!