Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PANDEMIA

Senadora apresenta PEC que adia eleições até que acabe estado de calamidade

Proposta é que pleito seja realizado 120 dias após o término desta condição
23/03/2020 19:12 - Clodoaldo Silva


 

Por defender que a prioridade no Brasil nesse momento seja o combate a pandemia do coronavírus, a senadora sul-mato-grossense Soraya Thronicke (PSL) apresentou hoje no Senado Federal uma PEC (Proposta de Emenda a Constituição) que adia as eleições deste ano até que  acabe o estado de calamidade pública em vigor no Brasil até 31 de dezembro. A proposta é que as eleições sejam realizadas 120 dias após o término desta condição.

A parlamentar argumenta que antes das eleições de outubro os partidos terão de realizar convenções, como determina a legislação eleitoral. “Não há como saber se a evolução da pandemia permitirá a realização do pleito e, antes dele, das convenções eleitorais, que ocorrerão entre 20 de julho e 5 de agosto, com necessária segurança”, enfatizou a senadora, citando o exemplo das eleições municipais na França no último final de semana, que mesmo com esquema de proteção dos eleitores teve grande abstenção e que há grande pressão para cancelamento do segundo turno, marcado para o dia 22 de março.

Para evitar que o mesmo ocorra no Brasil, a PEC propõe que o “Tribunal Superior Eleitoral poderá, na hipótese de estado de calamidade pública, adiar as eleições e o respectivo calendário eleitoral”, bem como define que em até 120 dias após o encerramento da calamidade pública sejam realizadas as eleições.

A PEC segue agora para discussão nas comissões temáticas e depois segue para votação em plenário. Ela precisa ser aprovada no Senado Federal e na Câmara dos Deputados para entrar em vigor.

 

Felpuda


Lideranças de alguns partidos estão fazendo esforço da-que-les para fechar chapa com o número exigido por lei de 30% do total de vagas para as mulheres. Uma dessas legendas, por exemplo, tenta mostrar a “felicidade” das suas pré-candidatas, mas teme o fracasso, tendo em vista que o “chefe maior” é aquele que já mandou mulheres calarem a boca e disse também que a importância da sua então esposa na campanha eleitoral era porque apenas “dormia com ele”. Ô louco!