Política
ESCOLHA

Simone Tebet é cobrada a se posicionar sobre temas polêmicos e 'descer do muro'

De acordo com essa avaliação, a ausência de posicionamentos firmes em relação a temas controversos é algo que precisará ser trabalhado

FOLHAPRESS

21/05/2022 14:55

Ungida por partidos de centro como a melhor alternativa para a candidatura presidencial, a senadora Simone Tebet (MDB-MS) terá agora o desafio de criar uma marca, segundo aliados.

De acordo com essa avaliação, a ausência de posicionamentos firmes em relação a temas controversos é algo que precisará ser trabalhado. Ela costuma ficar em cima do muro em algumas pautas, tentando agradar os dois lados da polarização, o que precisará mudar daqui em diante.

Sobre a Operação Lava Jato, por exemplo, na sabatina organizada pela Folha e pelo o UOL, Tebet fez elogios e críticas.

"Não fico nem a favor nem contra a questão da Lava Jato. Ela cumpriu um papel importante, escancarou verdadeiros escândalos de corrupção, não adianta o PT dizer que não houve", afirmou.

Por outro lado, diz que houve "excessos do rito processual". "Não tenho dúvida nenhuma disso. Tenho um bom relacionamento com o [ex-juiz Sergio] Moro e quero acreditar que houve boa-fé.

Mas aí tem que perguntar para ele, para os membros do Ministério Público, do Judiciário, para ver se houve má-fé ou boa-fé", esquivou-se.

Em entrevista ao UOL, a senadora se posicionou contra o aborto, mas tentou fazer um aceno às feministas ao declarar que o tema não deveria ser tabu.

"O feminismo que eu acredito é aquele que luta pelos seus direitos, compreendendo quem pensa diferente, e vice-versa. Aliás, essa é a grande beleza da democracia", pontuou. Na sequência, afirmou se tratar de um assunto sério que precisa ser debatido com seriedade, e não a cada quatro anos, em campanha eleitoral.

Sobre privatizações, sua posição também é dúbia. Em um esboço de plano de governo divulgado pela CNN, Tebet se diz a favor das privatizações. Mas quando questionada sobre a venda da Petrobras, afirma se contra.

Outro aliado da possível coligação afirma que essa dubiedade pode ser usada como um trunfo, pois é melhor não se posicionar do que fazê-lo de forma equivocada. Disso dependerá ela empolgar a estrutura partidária para trabalhar a seu favor.

Os três partidos partidos que sinalizam apoiá-la (MDB, Cidadania e PSDB) têm 17 candidatos a governador, a maioria com chances de ir ao segundo turno.

O primeiro desafio será no seu próprio partido, o MDB. Parlamentares do Nordeste, como o senador Renan Calheiros (MDB-AL), já declararam apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), enquanto diretórios do sul têm preferência por Jair Bolsonaro (PL).