Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FINANÇAS

Trad diz que explicou importância de Pedrossian continuar na gestão

Prefeito afirmou que conversou com secretário sobre dificuldade durante pandemia e planejamento
05/06/2020 09:45 - Yarima Mecchi


 

Pré-candidato a reeleição, o prefeito de Campo Grande, Marcos TRad (PSD), disse que conversou com o secretário de Finanças e Planejamento, Pedro Pedrossian Neto (DEM), sobre a importância dele continuar na administração municipal e o planejamento que a pasta tem ao longo mandato  que acabar no dia 31 de dezembro deste ano.  

A conversa de Trad com Pedrossian Neto veio após movimentações nos bastidores políticos que o secretário seria exonerado do cargo para ficar a disposição do partido e desincompatibilizar da função a tempo das eleições municipais, marcadas para 4 de outubro. O nome do economista também chegou a ser cotado como a indicação do DEM para compor chapa na posição de vice do prefeito.  

"Estou fazendo uma adm técnica. Não vou mexer com política a não ser no momento oportuno. Ele é um quadro técnico. Em uma secretaria de enorme importância para o momento que estamos passando.  A saída dele neste momento de pandemia e diminuição de receita seria algo ruim para a cidade. Expliquei bastante e ele entendeu", afirmou o prefeito ao Correio do Estado, destacando a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) e as perdas de receita por conta das medidas de isolamento adotadas na cidade.

Questionado se pediu para Pedrossian continuar como secretário, Marcos Trad negou e declarou que a decisão de permanecer na gestão foi de Pedrossian. "A decisão é de cada um, eu mostrei para ele que ele tinha um compromisso comigo, com cidade e que a gestão não é política. O que ele tinha dito é que estavam aventando, eu disse que ninguém tinha me ligado", explicou.  

Ainda de acordo com o prefeito, ele expôs ao secretário a secretaria tem um planejamento. "Deixar a gestão no último dia não é bom. Eu, a nossa administração, temos planejamento e diretrizes e não é assim que se decide. E ele entendeu, ele compreendeu e me disse: não, nosso compromisso é até dia 31 de dezembro”, ressaltou.  

Antes de se filiar do DEM, Pedrossian Neto era do mesmo partido que o prefeito e em entrevista ao Correio do Estado disse que mudou de agremiação a pedido do prefeito. Trad justificou que secretário já tinha afinidade com as lideranças do novo partido e por isso solicitou a troca. "Ele era secretário adjunto da Tereza Cristina e tem uma proximidade muito grande ao Mandetta e os dois pediram: já que a gente tem diálogo, apoiamo nas eleição passada, a gente queria um quadro nosso na administração, na unidade administrativa, e não há melhor nome do que o Pedrossian Neto", alegou citando a ministra de Agricultura Tereza Cristina e o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.  

Pedrossian foi, em 2014, foi secretário-adjunto de Tereza Cristina na Secretaria de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo (Seprotur).

O prefeito negou que o pedido para troca de partido esteja relacionado com uma possível chapa entre ele e o secretário para concorrer a reeleição. "O Pedro é técnico. Eu não estou preocupado com política, minha preocupação é cuidar da cidade. Minha preocupação é com a saúde, não fui eleito para fazer política", ressaltou.  

Em entrevista publicada na edição de ontem do Correio do Estado, Pedrossian Neto disse que era soldado do partido para o que for solicitado.

“Tenho afinidade política e ideológica com a sigla. E isso foi importante para o prefeito. Por hora não tenho essa informação se vou deixar a prefeitura. Tudo é possível, mas por hora não tem isso. Não vou confirmar ou descartar. Me coloquei a disposição do prefeito e do meu partido que é o DEM. Aquilo que o partido decidir eu vou ser o soldado para cumprir”.

Até o fechamento desta edição não havia sido publicada a exoneração de Pedrossian da Prefeitura de Campo Grande.

PLEITO

O primeiro turno das eleições municipais estão marcados para o dia 4 de outubro, mas por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) a data pode ser alterada pelo Congresso Nacional. Nos bastidores de Brasília a informações é que o primero turno deve ser adiado para o dia 15 de novembro e o segundo 6 de dezembro.

 

Felpuda


Conversas muito, mas muito reservadas mesmo tratam de possível mudança, e não pelo desejo do “inquilino”.

Por enquanto, e em razão de ser um assunto melindroso, os colóquios estão sendo com base em metáforas.

Até quando, não se sabe, pois o que hoje é considerado tabu poderá se tornar assunto em rodinhas de conversas.

Como dizia o célebre Barão de Itararé: “Há mais coisas no ar, além dos aviões de carreira”. Só!