Clique aqui e veja as últimas notícias!

CAMPO GRANDE

De punições a hidroxicloroquina, vereadores pedem medidas contra a Covid

Durante a sessão, parlamentares comentaram novamente o aumento de casos
08/12/2020 14:02 - Glaucea Vaccari


O avanço da pandemia do coronavírus continua sendo pauta nos discursos de vereadores na Câmara Municipal de Campo Grande.

Para evitar ainda mais aumento de casos e taxa de internação, entre as medidas propostas pelos parlamentares estão fiscalização mais rigorosas dos cumprimentos dos decretos e uso de medicamentos como hidroxicloroquina.

Acompanhe as últimas notícias

Vereador Carlão (PSB), usou a palavra para comentar sobre casos de mortes e demonstrou preocupação com o possível colapso na saúde, que já tem quase 100% dos leitos ocupados.

“Tava controlado e agora apertou demais. Já falei com os secretários de Saúde, tem que aumentar as UTIs, porque em curto espaço de tempo vai ter pessoas precisando de ser entubadas e não vai ter como”, afirmou.

Médico, o vereador Wilson Sami (MDB) voltou a sugerir o kit covid como método de prevenção, mesmo sem comprovação científica.

“As pessoas que estão com sintomas de Covid, tem febre, perda de paladar, perda de cheiro, isso não é normal, não pense que é uma gripezinha, vá ao médico e exija a que prescreva hidroxicloroquina, ivermectina e sulfato de zinco”, disse.

Na semana passada, ele já havia discursado a favor do uso dos medicamentos.

Delegado Wellington (PSDB) reforçou que uma solução depende da aprovação de uma vacina, mas que, enquanto ela não chega, apenas as medidas restritivas não têm efeito caso não haja fiscalização.

“A gente precisa fazer nossa parte nas medidas de biossegurança, estabelecer regras sociais e é necessário sim o poder de polícia nesse momento, porque se não vai aumentar”, pontuou.

Conforme explicou o tucano, é importante que se faça restrições, desde que não impeça as pessoas de trabalharem ou que feche o comércio.

No entanto, ainda segundo o vereador, é cultural que as pessoas não respeitam mais as medidas e, por este motivo, é necessária uma fiscalização severa, caso contrário, as determinações continuarão sendo desrespeitadas. 

Conforme boletim divulgado nesta terça-feira (8), Mato Grosso do Sul tem 107.235 casos confirmados e 1.852 mortes por Covid-19 desde o início da pandemia. 

A taxa de contágio chegou a 1,11, ou seja, para cada 100 casos novos confirmados outros 111 podem ser contaminados.

Também nesta terça, governador Reinaldo Azambuja garantiu que o Estado já tem recursos para comprar vacinas contra a Covid, de qualquer origem, assim que for aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).