Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SUINOCULTURA MS

Carne suína é muito mais saudável do que se pensa

Apesar do alto teor proteíco ainda é pouco consumida
30/03/2019 13:27 - Redação


 

As pessoas ainda têm muito preconceito em relação à carne suína e a associam a algo gorduroso que não fez bem à saúde, mas a realidade é completamente diferente disso.

O dia 31 de março é o Dia da Saúde e da Nutrição, que faz parte do calendário oficial do Ministério da Saúde e tem o objetivo principal de conscientizar a população sobre a importância da saúde e da boa alimentação.

Por isso, o Secretário da Cooasgo- Cooperativa Agropecuária São Gabriel do Oeste, Rainer Josef Ruiz Goehr, explica algumas características da carne suína. A cooperativa produz suínos há 26 anos é uma referência no mercado.

“O brasileiro consume pouca carne suína, em torno de 14 quilos por anos, já o europeu chega a 60 quilos. A carne suína é a mais consumida no mundo e por isso é preciso disseminar os benefícios dela”, afirma Rainer.

Ele ainda explica que cerca de 70% do consumo dos brasileiros provém de produtos industrializados, como presunto, salame e etc, e que a carne in natura é somente alguns cortes mais populares como o pernil. “O suíno também tem outros cortes, como o boi, dentre eles a alcatra, picanha, filé mignon, por exemplo”.

“A COOASGO não simplesmente produz suíno, mas sim produz carne. E se preocupa com o bem-estar animal, oferecendo um ambiente adequado, sem estresse para os suínos. Sem contar a alta tecnologia que está até na ração dos animais que tem nutrientes importantes que possibilitam o desenvolvimento saudável dele”, declarou o diretor.

Não é à toa que essa carne é rica em proteína e tem alto valor biológico, além de excelentes quantidades de vitaminas e sais minerais. Por fim, o presidente da cooperativa, Sérgio Marcon, ressalta a importância de se esclarecer os benefícios dessa carne, que além de fazer bem à saúde, ainda movimento a economia local.

 

 

Felpuda


Comentários maldosos nos meios políticos dão conta que duas figurinhas que se rebelaram contra os próprios colegas poderão ficar no sereno político e, de forma indireta, serem personagens das próprias manifestações.

Um deles defendeu a redução do número de vereadores, e o outro disse ter vergonha de exercer o cargo. Agora enfrentam altos e baixos na campanha eleitoral.