Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CELULAR E DIREÇÃO

Rodrigo Hilbert é repreendido por<br> Detran por má conduta no trânsito

Rodrigo Hilbert é repreendido por<br> Detran por má conduta no trânsito
04/09/2017 15:58 - FOLHAPRESS


 

A internet apelidou Rodrigo Hilbert, 37, de "homão". Mas, na manhã desta segunda (4), no entanto, o Detran-SP (Departamento de Trânsito de São Paulo) encontrou um "defeito" no ator: dirigir usando o celular.

Rodrigo postou em seu stories no Instagram (ferramenta de compartilhamento de vídeos e fotos que desaparecem depois de 24 horas) um vídeo enquanto dirigia. As imagens mostravam o volante do carro do ator e o horizonte da praia de Ipanema, visto da Avenida Vieira Souto, no Rio de Janeiro.

O desrespeito às leis de trânsito não passou despercebido. O Detran-SP postou uma nota na página oficial do órgão repreendendo o ator por sua má conduta: "Um homão desses, bicho, usando o celular enquanto dirige?".

A reportagem entrou em contato com a assessoria do ator mas, até a publicação da matéria, não obteve resposta.
Mas, mesmo com provas do comportamento inapropriado, o apresentador não pode ser multado. Segundo a regulamentação do Detran, a multa só pode ser aplicada se o infrator for flagrado pelo agente de trânsito ou por equipamentos homologados, como radares.

Manusear o celular enquanto dirige desvia a atenção do condutor, o que pode ocasionar acidentes. De acordo com o CTB (Código de Trânsito Brasileiro), o ato de Rodrigo configura uma infração gravíssima, com multa no valor de R$239,47 e sete pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação).

Dentre as multas aplicadas pelo uso de celular ao volante, 28% envolvem o manuseio do aparelho. Diariamente, mais de 320 motoristas são penalizados em São Paulo por cometer esse tipo de infração.

Felpuda


Nos bastidores, conversas, ou melhor, quase sussurros, dão conta de que compromisso assumido teria prazo de validade se acontecer a vitória de aliado.

A partir de então, o papo passaria a ser bem, mas bem diferente mesmo, pois, com acordo cumprido, novos objetivos passariam a ser fonte dos desejos, e sem nenhuma moeda de troca.

No caso, não haveria mais sequer um fio de bigode. Tipo, cada um na sua.