Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

TESTE DA SEMANA

A nova S10 High County na lida! Carregada com mais de 1.160kg na caçamba

No teste drive da semana, foram mais de 1.000km rodados dentro do Estado
05/09/2020 05:00 - Leandro Gameiro


Quando pegamos uma picape para avaliar, a primeira coisa que vem à mente é viajar, fazer uma rota de aventuras, mas aí lembramos que a maioria usa as picapes para o trabalho. Por isso, resolvemos colocar a nova S10 High Country na lida.

Lançada em 1995, o veículo alcançou a marca de um milhão de unidades produzidas em São José dos Campos (SP), 750 mil delas destinadas ao mercado local. Desde 1997, a picape vem com versões exclusivas e opção de motor diesel. Ela está renovada, mais conectada e é a única que dispõe de Wi-Fi integrado, com sinal 12 vezes mais forte.  

Avaliamos a versão topo de linha, que tem preço sugerido de R$ 213.290 e vem completona. Mas será páreo para as concorrentes?

No ranking de vendas de 2020, até o momento ela está em segundo lugar. A Toyota Hilux lidera, com 16.652 unidades vendidas, seguida por Chevrolet S10, com 11.144 unidades, e Ford Ranger, com 10.448 unidades vendidas.  

Mas vamos ao que interessa: rodamos cerca de 1.150 quilômetros, sendo 300 em estrada de terra, colocando a picape em diversas situações. O conforto da S10 é muito bom: desde 2002, ela está entre as mais confortáveis da categoria. Na verdade, nos anos 2000 ela era a única confortável: as concorrentes trabalharam nisso por 10 anos e, em 2012, conseguiram chegar a tal conforto e, hoje, estão em patamar similar. Claro que nessa briga de gente grande cada marca conta com seus fãs.  

“O picapeiro costuma rodar muito pelo interior. Sabemos que o Brasil é um país continental e que a cobertura de sinal de internet não é uniforme, por isso o Wi-Fi da Nova S10, com tudo o que ele agrega, ganha uma importância enorme neste contexto”, diz Rodrigo Fioco, diretor de Marketing de Produto da GM América do Sul.

Saímos de Campo Grande rumo a Maracaju, distante cerca de 150 quilômetros da Capital, e fomos em direção a uma fazenda, que nos disponibilizou uma bag de adubo, pesando cerca de 1.000 quilos, e mais 8 galões de defensivos agrícolas, cada um com 20 litros. No total, carregamos 1.160 quilos na caçamba da S10, que chegaram na casa dos 1.340 quilos quando somados ao peso de mais dois ocupantes, cerca de 300 quilos a mais do que o total recomendado pela Chevrolet. O bacana é que a picape se comportou superbem e, mesmo na estrada de terra, a suspensão não dava o famoso curso final. Tal firmeza passa muita segurança para os ocupantes, e o novo turbo deixou a S10 0,2 segundos mais rápida nas acelerações de 0 a 100 km/h, com os freios bem ajustados, mesmo sendo tambor na traseira. A principal diferença, no entanto, fica por conta do design, com o novo multimídia, que agora faz o espelhamento do smartphone sem cabo, e a internet Wi-Fi. A partida remota continua, assim como a tradicional chave na ignição para ligar a caminhonete.  

Nessas andanças, quando estava sozinho, uma porta USB foi uma boa pedida, mas, quando coloquei a família no veículo, sentimos falta de mais saídas USB: mesmo com três tomadas 12v, como não tínhamos o adaptador, ficou difícil. Também falta uma saída de ar-condicionado para quem vai no banco traseiro – para quem vai na frente, o ar é digital, porém, uma zona só. O leitor de faixa e o alerta de colisão funcionam bem, inclusive, identificam agora até pedestres e, caso o motorista não tome nenhuma atitude, a caminhonete pode vir a parar sozinha, lembrando que funciona de 8 km/h até 80 km/h.  

O piloto automático não é adaptativo, ou seja, se tiver um carro mais lento na frente, a velocidade não diminui e é o motorista que deve tomar a providência. Um acessório bem interessante é o amortecedor da tampa traseira, que não deixa que a mesma despenque quando abre.  

Com o novo visual, a aptidão off-road da S10 aumentou e o ângulo de ataque foi para 29 graus. Outro detalhe: a câmera de ré serve para “espiar” o reboque, mesmo em movimento.

Todas as versões da S10 vêm com 6 airbags agora, o que antes era ofertado apenas na High Country. O coração da picape continua o mesmo, com nova turbina, fazendo com que a resposta da S10 seja mais rápida e mais econômica. E pode gerar 200 cv, com um torque de 51 kgfm, acoplada ao câmbio de seis velocidades automático, no caso da versão avaliada. Cheguei a fazer 14,2 km/l na estrada e na cidade, ficou na casa dos 9 km/l, que podem ser consideradas boas médias, tendo em vista as médias de algumas concorrentes.  

Siga-nos nas nossas redes sociais: @correioestado e @correioveiculos

 
 
Nova S10 High Country com mais de 1300 kg - Leandro Gameiro

Felpuda


Esforços vêm sendo feitos por certos candidatos derrotados na tentativa de conseguir emplacar em cargos públicos comissionados alguns ex-integrantes das equipes de trabalho da campanha eleitoral.

A preocupação não seria, na realidade, com situação de dificuldades que essas pessoas enfrentariam a partir de agora, mas, sim, para livrarem-se de pagar pendências trabalhistas referentes ao período da disputa. Tem cada uma!