Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

MOTOMAIS

Confira as dicas e novidades semanais sobre motos no Brasil e no mundo

A Voltz Motors inaugura sua primeira loja-conceito na cidade de São Paulo, no dia 23 de setembro
21/09/2020 15:09 - Edmundo Dantas/AutoMotrix


Movimento de expansão

A Voltz Motors, fabricante pernambucana de motos elétricas, se prepara para abrir sua primeira loja-conceito na cidade de São Paulo, no dia 23 de setembro. A empresa aproveitará a inauguração para dar o pontapé inicial para a pré-venda da EVS, a nova moto da empresa. Atualmente, a startup já conta com uma loja-conceito no Recife (PE) e com outros oito showrooms em cidades do Nordeste. Após a inauguração da loja paulistana, que fica na Avenida 9 de Julho, a Voltz se prepara para expandir a rede física para outras regiões do país. “Estamos negociando a abertura de mais quarenta showrooms que devem começar a funcionar até o final deste ano”, avisa Renato Villar, CEO da empresa. A Voltz trouxe para o mercado a primeira scooter elétrica produzida no Brasil, a EV1 (R$ 9,4 mil). Desde novembro do ano passado, quando iniciou suas vendas, mais de 1,3 mil motos com a marca da empresa foram comercializadas. A EV1 tem uma bateria portátil que, segundo a fabricante, pode ser completamente abastecida em qualquer tomada em até uma hora - carregada, a EV1 pode rodar até 60 quilômetros e alcançar a velocidade máxima de 60 km/h. Recentemente, a empresa recebeu autorização para levar a produção de suas motos elétricas para o Polo Industrial de Manaus (PIM). A operação deverá começar a partir de 2021. A Voltz, que tem uma unidade fabril em Cabo de Santo Agostinho (PE), resolveu alterar sua produção para Manaus com o objetivo de aproveitar os incentivos fiscais da Zona Franca. 

Mercado convalescente

A produção de motos no Brasil encerrou o mês de agosto com mais de 98.358 unidades fabricadas, um avanço de 0,4% sobre as 97.920 motocicletas feitas em julho deste ano e uma queda de 14,3% em relação às 114.738 unidades do mesmo mês de 2019. Os dados são da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo). A produção de motos no acumulado até agosto deste ano é menor do que o mesmo período de 2019, pois de janeiro a agosto foram fabricadas 588.495 motocicletas, representando uma retração de 20,9% na comparação com o mesmo intervalo do ano passado (743.556 unidades). “O volume até poderia ter sido maior, mas as fábricas ainda operam com restrições, pois a prioridade é preservar a saúde dos empregados, atendendo aos protocolos sanitários de segurança”, explica Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo.

Lá vem ela

A Ducati confirmou a chegada de mais um modelo da marca ao Brasil. Trata-se da Multistrada 950 S, versão topo de linha do menor modelo da família Multistrada. A Ducati do Brasil ainda não revelou detalhes, mas a 950 S virá com painel TFT, suspensão eletrônica e “quickshifter” bidirecional entre os novos itens. A Ducati Multistrada 950 S traz motor bicilíndrico em “L” (V a 90 graus) com 937 cm³, arrefecimento a líquido e o tradicional comando de válvulas desmodrômico. É capaz de entregar 113 cavalos de potência e 9,6 kgfm de torque. O peso a seco declarado para a versão é de 207 quilos. 

Com que Forza?

A Honda Europa divulgou um vídeo teaser anunciando o lançamento de uma nova scooter da família Forza para outubro. A frase de encerramento do teaser – “The Forza family is getting bigger” (algo como “A família Forza está ficando maior”) – indica que pode se tratar de uma nova maxi-scooter. Especulações da imprensa especializada europeia dão conta de que a nova Forza terá motor de dois cilindros e 750 cc combinado com o câmbio de dupla embreagem. A Honda mostrou a Forza 300 no Salão Duas Rodas 2019, em novembro, para “testar a reação do público”. O novo modelo deve ser uma versão mais voltada para o asfalto do que a X-ADV, que tem a proposta de ser uma scooter aventureira

 
 

Felpuda


Como era de se esperar, as pesquisas mexeram nos ânimos de candidatos, principalmente daqueles que apareceram com índices pífios.

E assim, muitos deles certamente darão novo rumo às suas campanhas eleitorais.

A maioria, é claro, tenta mostrar otimismo, e o que mais se ouve por aí é que “agora o momento será de virada”.

Como disse atento e irônico observador: “Tem gente por aí que poderá virar, sim. Mas virar gozação!”. Ui...