Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

LANÇAMENTO

E-tron, o SUV 100% elétrico da Audi

Veículo é o primeiro elétrico da marca no Brasil e faz parte da estratégia da empresa de ser totalmente neutra em carbono até 2050
23/04/2020 17:45 - Leandro Gameiro


O novo modelo é equipado com dois motores elétricos, que combinam uma potência total de 408 cv com 664 Nm de torque, as forças são distribuídas em 135 kW de potência na frente e 165 kW de potência no motor traseiro. Ele acelera de 0 a 100 km/h em 5,7 segundos, com velocidade máxima limitada eletronicamente em 200 km/h.

Tem tração nas quatro rodas, distribuídas eletronicamente para garantir melhor aderência e dinâmica em qualquer tipo de terreno. Na maioria dos casos, o e-tron usa principalmente seu motor elétrico traseiro para obter a mais alta eficiência. Se o motorista exigir mais energia, a tração elétrica nas quatro rodas redistribui o torque conforme necessário para o eixo dianteiro.

Com o Audi drive select, o motorista pode variar as características de direção entre sete perfis: Auto, Comfort, Efficiency, Offroad, Dynamic, Allroad e Individual. 

O sistema de baterias de íons de lítio pesa cerca de 700 kg e é composto por 36 módulos de alumínio, que deixam o centro de gravidade do SUV, semelhante ao de um sedan. O veículo possui autonomia de até 436 quilômetros (ciclo europeu WLTP), ideal para percorrer longos trajetos, e pode recarregar de diversas formas. Uma delas é por meio de redes externas. Basta plugar o veículo em uma tomada, desde uma simples 110V até as de alta tensão, para iniciar a recarga, cujo tempo varia de acordo com a potência elétrica disponível. Em estações de recarga ultra rápida de 150 kW, por exemplo, é possível carregar até 80% da bateria em 30 minutos. Geralmente os consumidores optam por carregar o veículo elétrico durante a noite, como os smartphones. 

Além da recarga em redes externas, o modelo pode recuperar a energia de outras duas maneiras: simplesmente ao tirar o pé do acelerador ou quando o pedal de freio é acionado. Durante mais de 90% de todas as desacelerações, o e-tron recupera a energia exclusivamente por meio de seus motores elétricos.

O gerenciamento térmico do sistema de bateria é um capítulo à parte: um total de 22 litros de líquido de arrefecimento flui através dos 40 metros de conexões no Audi e-tron.

Os retrovisores virtuais não apenas reduzem o arrasto, mas também levam a digitalização do veículo a um outro nível. O equipamento conta com uma câmera, onde as imagens exibidas nos monitores internos laterais de 7 polegadas, cujo o brilho se ajusta automaticamente. Se o motorista move o dedo sobre a tela sensível ao toque, símbolos são ativados possibilitando mover a imagem e ajustar o ângulo desejado. 

Outras soluções aerodinâmicas também foram adotadas, como a suspensão a ar, que se ajustam individualmente às condições da estrada. Dependendo da velocidade e preferência do motorista, a altura da suspensão varia até 76 milímetros. 

O modelo tem 4.901 milímetros de comprimento, 2.043 milímetros de largura e 1.629 milímetros de altura. Com entre eixos de 2.928 milímetros, o Audi e-tron tem amplo espaço para cinco ocupantes e bagagens. Como o veículo elétrico não possui o eixo cardã, na parte traseira não há mais o túnel central, o que oferece um ganho de espaço incrível para o passageiro no assento central do banco de trás.

O Audi e-tron será comercializado em duas versões. A Performance e Performance Black, ambas com muito estilo e sofisticação. 

O preço público sugerido será de R$499.990,00 na versão Performance e de R$539.990,00 na Performance Black. Contudo, durante o período de lançamento haverá condições especiais: as versões serão negociadas, respectivamente, por R$459.990,00 e R$499.990,00, além de valorização de até R$15.000,00 na troca do veículo usado e 4 anos de manutenção já inclusos. 

 
 

Felpuda


Alguns pré-candidatos que estão de olho em uma cadeira de vereador vêm apostando apenas nas redes sociais, esperançosos na conquistados votos suficientes para se elegerem. A maioria pede apoio financeiro para continuar mantendo suas respectivas páginas, frisando que não aceita dinheiro público ou de político, fazendo com que alguns se lembrem daquela famosa marchinha de carnaval: “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí...”. Como diria vovó: “Essa gente perdeu o rumo e o prumo”.