Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TESTE DA SEMANA

Avaliamos o novo Ford Territory. Será que ele é páreo para os concorrentes?

Mal lançou, e já dirigimos o SUV que pode se tornar o "preferido" entre os concorrentes
07/08/2020 22:38 - Leandro Gameiro


Dirigindo novo Ford Territory - Leandro Gameiro
 

Já tinha visto o Territory algumas vezes, mas ao rever, fiquei impressionado com seu design marcante. A versão que avaliei foi a Titanium, que já vem com rodas 18”, teto panorâmico escurecido, retrovisores com luzes de aproximação com rebatimento elétrico, dando impressão de imponência. O painel é todo digital e a nova central multimídia é de 10,1”. O bacana é que o painel é “clean”, sem muitos botões, dando suavidade para o interior no tom bege. Todos os comandos são feitos através da multimídia ou pelo controlador no console central. O espaço interno, principalmente no banco traseiro é muito bom, levando trêsadultos com conforto.

O desempenho do motor é justo, pois apesar de ser turbo, vale lembrar que ele não é um esportivo, com a pegada um pouco mais lenta. O novo EcoBoost empurra bem o Territory, fazendo o 0 a 100 em 11,8 segundos: entre os concorrentes é um dos mais espertos, ficando para trás apenas do GM Equinox 2.0 AWD. A tração do Territory é apenas dianteira e sua direção elétrica é bem leve. O ar digital de uma zona só é o que se pode dizer ser “ um pecado” para um SUV deste porte. Falando nisso, já que o veículo carrega três adultos tranquilamente no banco traseiro, por que uma porta usb apenas? O Territory tem excelentes atributos para incomodar os concorrentes. Quer saber mais? Acesse o Portal CORREIO DO ESTADO e confira o vídeo feito especialmente para você. Siga-nos nas redes sociais: @correioestado e @correioveiculos. E se quiser ver de perto ou agendar um teste drive, entre em contato com a Ford Auto Master, (67) 3322-1000, Av. Ceará, 66 - Chácara Cachoeira, Campo Grande – MS.

Felpuda


Figurinha está trabalhando intensamente para tentar eleger a esposa como prefeita de município do interior.

Até aí, uma iniciativa elogiável. Uns e outros, porém, têm dito por aí que seria de bom tom ele não ensinar a ela, caso seja eleita, como tentar fraudar folha de frequência de servidores. 

Afinal, assim como ele foi flagrado em conversa a respeito com outro colega, não seria nada recomendável e poderia trazer sérias consequências. Só!